Novas receitas

Por que você não pode cumprir suas resoluções de ano novo (Galeria)

Por que você não pode cumprir suas resoluções de ano novo (Galeria)


E o que você pode fazer este ano para mantê-los

istockphoto.com

Por que você não pode cumprir suas resoluções de ano novo

istockphoto.com

Acontece com a maioria das pessoas: à medida que janeiro avança, o outrora violento motivação para seguir a resolução de ano novo começou a diminuir. Em fevereiro, a maioria das pessoas desiste; as pessoas que não desistiram estão se agarrando às suas intenções pelo último fio, agarrando-se à preciosa vida.

É incrivelmente frustrante e pode gerar todos os tipos de culpa, autoaversão e arrependimento. Se eu não fosse tão preguiçoso, teria continuado dessa vez. Se eu tivesse mais força de vontade ... Sentar com essa insatisfação é mais do que desconfortável. Definitivamente, não é a maneira triunfante como você imaginou seu ano começando quando fez sua resolução em primeiro lugar.

Mas, na realidade, seguir uma resolução de Ano Novo tem pouco a ver com preguiça ou força de vontade. A maioria das pessoas comete um erro fatal ao criar suas resoluções desde o início, mas depois se culpam por sua incapacidade de acompanhar suas intenções. Consultamos várias fontes para descobrir o que realmente está acontecendo quando você encerrar. Se você fez uma resolução em janeiro, aqui estão 15 motivos pelos quais você provavelmente está lutando tanto para cumpri-la.

Você tem medo de começar

istockphoto.com

Uma resolução de um ano é uma montanha alta para escalar. É normal se sentir intimidado quando você está na base - mas é aqui que algumas pessoas vacilam. Eles olham para a tarefa iminente à frente e ficam sobrecarregados, desistindo antes mesmo de dar o primeiro passo.

Seu objetivo é muito vago

istockphoto.com

Claro que você quer "ficar saudável", mas O que isso significa especificamente? Definir uma meta vaga como essa significa que você nunca saberá realmente se a alcançou. Em que ponto você de repente percebe que alcançou a saúde ideal e sente que conseguiu? Para ser brutalmente honesto: nunca. Escolha uma meta que seja específica e orientada para a tarefa (por exemplo, ler 10 livros, comer duas porções de vegetais todos os dias) para garantir até mesmo a possibilidade de sucesso.

Seu objetivo é um resultado em vez de uma tarefa

istockphoto.com

Eu quero um aumento. Este ano, irei fazer supino no banco X libras. Meu objetivo é conseguir esse emprego que realmente quero. O que todos esses objetivos têm em comum? Eles são todos resultados de ações, em vez de ações em si. Você não pode controlar se receberá ou não um aumento - seu chefe recebe. Mas você pode estar mais presente e pró-ativo no trabalho. Você não pode controlar se você constrói força tão rápido - mas você pode dedicar algum tempo na academia para tentar. Ao se concentrar no resultado, você está se privando da capacidade de determinar as etapas necessárias para chegar lá. Tudo o que você realmente pode controlar são suas próprias ações. Comece por aí.

Seu objetivo é perder peso

istockphoto.com

Este é um desdobramento do ponto anterior - você não pode controlar seu peso corporal. Seu corpo tem um ponto de ajuste predeterminado que está totalmente fora de seu controle. Quando você leva um estilo de vida saudável em geral, provavelmente encontrará um peso estável que seja o melhor para você. No entanto, esse peso pode ser mais leve, mais pesado ou exatamente o mesmo que você está agora. Se você não perder peso até o final do ano, apesar de seus melhores esforços, não é porque você está fazendo algo errado. Seu corpo simplesmente não quer perder peso.

Ao se concentrar no resultado da perda de peso quando se trata de sua saúde, você está deixando de entrar em sintonia com os hábitos saudáveis ​​que poderiam realmente fazer você se sentir melhor em seu corpo. Alguns desses hábitos saudáveis ​​podem não resultar em perda de peso. Mas isso não significa que não valham a pena! Alguns hábitos saudáveis ​​relacionados à dieta a serem considerados neste ano podem ser adicionar mais frutas e vegetais à sua dieta, preparar refeições em casa ou experimentar novos alimentos.

Você é muito ambicioso

istockphoto.com

Claro, não há nada de errado em ser ambicioso. Ambição e desejo de realização são necessários para o sucesso! Mas se sua meta é tão elevada que não é realista, você está se preparando para falhar.

Se você está propenso a se concentrar no quadro geral, ter várias categorias de objetivos (longo e curto prazo) pode ser uma boa maneira de manter suas expectativas sob controle. É ótimo querer aprender um novo idioma, por exemplo, mas você pode não ser 100 por cento fluente em apenas um ano. E se você tem uma agenda lotada, é improvável que você encontre tempo para praticar todos os dias. Defina uma meta de curto prazo e alcançável, como "Praticar francês duas vezes por semana durante uma hora". Você estará mais bem equipado para cumprir esse objetivo do que aquele que é muito abrangente.

Você cai no pensamento tudo ou nada

istockphoto.com

Você começa o ano totalmente comprometido com a resolução de Ano Novo. Você bagunça uma vez. Antes que você perceba, você está se culpando por gastar muito naquele dia, pular a academia ou comer seu quarto biscoito Oreo. Muitas pessoas que se deparam com essa situação decidem jogar a toalha. Afinal, eles já falharam em sua resolução, certo? Por que eles deveriam continuar tentando?

Essa é a conversa do tipo tudo ou nada. Ninguém é perfeito. E ao tentar algo novo, você pode escorregar algumas vezes. Mas abandonar totalmente o projeto não precisa acontecer. Então você perdeu um dia. Isso não significa que você não pode voltar a trabalhar amanhã.

Você não tem um plano

istockphoto.com

Seu objetivo é provavelmente algo que você nunca fez antes - e você provavelmente não tem ideia de como exatamente o fará. Reserve algum tempo para planejar como você alcançará seu objetivo. Você pode até bloquear o tempo em sua agenda ou anotar as etapas definitivas que você precisa realizar. Isso pode ajudá-lo a determinar se sua meta é realista em primeiro lugar, ou se você decidiu fazer algo que não se encaixa em sua programação.

Você confia na negatividade para motivar

istockphoto.com

Você provavelmente já ouviu que a motivação positiva funciona melhor do que a negativa - é mais provável que uma criança ouça se você a recompensar quando ela lava a louça do que se você a repreender quando ela não lava.

Odiamos ter que dizer isso a você, mas você não mudou muito desde os 10 anos. A motivação positiva funciona melhor em todos os níveis. Mas muitas vezes esquecemos esse fato quando tentamos nos motivar.

Quando se trata de nossos objetivos de saúde, tendemos a nos concentrar nas áreas em que não conseguimos. Talvez você “comeu mal” no ano passado ou “era preguiçoso” e não fez exercícios. Essas autocríticas são implacáveis ​​e fazem mais mal do que bem. Em vez disso, concentre-se nos aspectos positivos de alcançar seu objetivo. Quando você come mais vegetais, como você se sente fisicamente? Quando você sair e se mexer, você se sente energizado e forte? Lembre-se da recompensa que você está perseguindo para motivar sua próxima etapa, em vez das consequências negativas de desistir.

Você perdeu o seu "porquê"

istockphoto.com

Então, como deve ser sua motivação positiva? Muitas vezes, a motivação por trás da resolução de Ano Novo de uma pessoa está errada. Sua meta pode ter sido selecionada porque é algo que você acha que ficaria bem, seria legal se gabar ou ganhar a aprovação de outras pessoas - quando, na realidade, metas que permanecem são escolhidas para melhorar sua própria vida. Isso requer alguma honestidade. Você realmente quer aprender a levantar pesos ou apenas quer que as outras pessoas pensem que você parece tonificado? Lembre-se de o ganho pessoal que você alcançaria se você mantivesse sua resolução este ano. Se não houver ganho pessoal, talvez seja hora de encontrar um novo objetivo!

Seu objetivo não é algo que você realmente deseja

istockphoto.com

Outra hora para encontrar uma nova meta é se você pensou que a resolução seria divertida e gratificante de se cumprir, mas rapidamente descobrirá que a realidade está sendo muito diferente. Por exemplo, diga você quer começar a correr. Você definiu a meta de correr 10 mil até o final do ano. Depois de começar a treinar, no entanto, você descobre que odeia correr e isso está realmente o mantendo longe as outras formas de exercício que você gostava. É normal descobrir que correr - ou tricotar, fazer um diário, escrever um livro - não é para você. Não continue investindo horas em algo que não está servindo a você. As resoluções de ano novo devem tornar sua vida melhor. Se não está servindo a esse propósito, deixe esse objetivo ir.

Você perde o interesse

istockphoto.com

No início de janeiro, talvez você tenha realmente começado a praticar ioga. Você foi em frente e definiu a resolução de fazer ioga três vezes por semana. Mas um mês depois, você ficou entediado depois de perceber que não estava mais gostando. Tudo bem - as pessoas mudam! Se você não quer mais atingir a meta, não há necessidade de se ater a ela apenas para dizer que você alcançou. Faça uma nova meta para substituí-lo que você acha que pode ser mais gratificante.

Você não deixa espaço para flexibilidade

istockphoto.com

A vida pode atrapalhar a realização de seus objetivos mais rígidos. Por exemplo, digamos que você pretende comer uma salada por dia todos os dias. Se você tem planos de almoço e jantar que não envolvem salada, isso significa que você falhou em sua resolução? Vale a pena perder essas experiências sociais em manter sua resolução? As finanças também podem atrapalhar. Talvez seu objetivo seja viajar mais, então você decidiu fazer uma viagem uma vez por mês. No meio do ano, você pode encontrar você tem mais dificuldade financeira do que esperava. Permita-se alguma flexibilidade para garantir que você possa realmente cumprir seu objetivo. Quanto mais adaptável e realizável for a meta, melhor.

Suas metas mudam naturalmente com o passar do tempo

istockphoto.com

No início do ano, você estava planejando uma promoção. Mas, em março, você percebe que não quer realmente permanecer em sua empresa atual e, em vez disso, deseja seguir uma nova carreira. Esse tipo de cenário acontece o tempo todo. No início do ano, você pode priorizar uma coisa, mas depois perceberá que outro interesse vale mais a pena. As pessoas mudam naturalmente com o passar do tempo, assim como as metas - um ano é muito tempo para se dedicar a apenas uma prioridade!

Você permite que sua autoestima atrapalhe

istockphoto.com

Nem sempre é confortável falar sobre isso, mas uma autoestima negativa pode invadir todos os aspectos da sua vida. Se você não estiver valorizando a si mesmo e suas realizações, pode se tornar muito mais difícil alcançar qualquer meta de autoaperfeiçoamento que você esteja definindo. Eu não valho a pena, então por que eu gastaria tempo tentando melhorar a mim mesmo? Quando isso acontecer, pratique a autocompaixão e a paciência. Quanto mais tempo você dedicar a cuidar de si mesmo, melhor se sentirá.

Você não comemora o sucesso

istockphoto.com

Isso é muito importante para melhorar sua motivação positiva. Se você esperar até o final do ano para se parabenizar pelo sucesso, vai ser tão cansativo quanto uma maratona chegar lá. Torne tudo mais fácil para você - e mais divertido - reconhecendo marcos históricos ao longo do ano. Dê a si mesmo uma recompensa após os primeiros dois meses, talvez, ou leve você e um amigo para uma refeição cara e indulgente para comemorar seu sucesso.


As resoluções de ano novo e # x27s estão fadadas ao fracasso. Em vez disso, tente isso.

Quando se trata de definir as resoluções de Ano Novo, a maioria das pessoas atira para a lua. Dizemos a nós mesmos que este será o ano em que abandonaremos os carboidratos, correremos todas as manhãs, nos tornaremos veganos ou pararemos de beber.

Inevitavelmente, três semanas depois, nos encontramos de volta ao ponto de partida. O que da?

Quando se trata de metas de saúde em particular, as metas de tudo ou nada - que geralmente são baseadas em expectativas irrealistas e não deixam qualquer margem de manobra - são uma preparação para o fracasso.

Apenas 8 por cento das pessoas realmente mantêm suas resoluções de Ano Novo, de acordo com uma estatística comumente citada. Existem muitas razões pelas quais as pessoas não conseguem cumprir suas resoluções, desde definir muitas delas até serem prejudicadas por pequenas falhas. Definir metas excessivamente ambiciosas e restritivas - como largar o açúcar quando ainda não fez pequenas mudanças para melhorar sua dieta - é uma das principais causas do fracasso. Embora você possa inicialmente se sentir inspirado e energizado ao definir metas explosivas para 2017, o brilho dessas resoluções desvanece-se rapidamente quando percebemos o quão difícil é mantê-las.

Mudanças pequenas e graduais no estilo de vida podem parecer menos atraentes, mas têm uma chance muito maior de criar uma mudança real. De acordo com a Dra. Roberta Anding, nutricionista e professora de nutrição do Baylor College of Medicine, moderar suas resoluções pode ser a diferença entre desistir em fevereiro e criar uma mudança duradoura no estilo de vida.

Quando as resoluções são ambiciosas demais, lutamos para mudar nossos hábitos, ficamos desanimados quando falhamos e, no final das contas, desistimos por completo. Portanto, em vez de tomar resoluções de linha dura este ano, Anding sugere aumentar suas chances de sucesso a longo prazo, abordando suas metas de saúde como uma "redefinição".

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização. ”

Qual é a diferença? Embora uma resolução represente uma decisão firme de fazer ou não algo, uma redefinição é uma oportunidade de “estabelecer de novo” ou definir seus hábitos de forma diferente. Com uma redefinição, você se compromete com metas moderadas e realistas e fazendo pequenas mudanças todos os dias - não apenas em 1º de janeiro. Uma redefinição também permite flexibilidade conforme você avança e descobre o que funciona e o que não funciona para você.

“Resolver não comer mais nada, como macarrão, pode não ser o objetivo mais prático”, disse Anding ao The Huffington Post por e-mail. “Uma redefinição permite um plano B, e a ideia é que você defina metas viáveis ​​para você, sua família e suas circunstâncias.”

Digamos que você esteja pensando em desistir da carne vermelha como sua resolução para 2017. Seguindo a abordagem de Anding, você pode decidir comer um hambúrguer apenas uma vez por semana ou cortar o tamanho das porções de carne pela metade e adicionar mais vegetais ao seu prato.

“Você pode ter uma comida favorita, mas o tamanho da porção é a chave”, acrescentou Anding. “Isso permite situações sociais, comer fora com seu chefe e festas familiares.”

Outra desvantagem das resoluções é que geralmente têm uma data de início clara, como 1º de janeiro, o que leva seu cérebro a pensar que também têm uma data de término. Uma redefinição, por outro lado, tem a ver com a criação de hábitos saudáveis ​​de longo prazo.

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização ”, disse Anding. “Se sua meta é comer mais frutas e vegetais, você pode redefinir essa meta todos os dias. Se você não alcançou essa meta, você pode reavaliar todos os dias. ”

Mas ser realista não significa comprometer seus objetivos. Se suas “reinicializações” forem bem-sucedidas, você pode se esforçar para eliminar um determinado alimento completamente ou tornar um novo hábito um cotidiano.

Seja o que for que você decida se comprometer, o importante é usar a energia do novo ano como uma oportunidade para fazer mudanças importantes para a sua saúde.

“Ao definir metas para um novo ano, torne-as relacionadas à saúde”, disse Anding. “Este é o seu 401K mais importante: investir no seu corpo e na sua sensação de bem-estar.”

Se você precisar de um pouco de inspiração, verifique nossa lista de 50 resoluções saudáveis ​​de Ano Novo que não envolvem perder peso.


As resoluções de ano novo e # x27s estão fadadas ao fracasso. Em vez disso, tente isso.

Quando se trata de definir as resoluções de Ano Novo, a maioria das pessoas atira para a lua. Dizemos a nós mesmos que este será o ano em que abandonaremos os carboidratos, correremos todas as manhãs, nos tornaremos veganos ou pararemos de beber.

Inevitavelmente, três semanas depois, nos encontramos de volta ao ponto de partida. O que da?

Quando se trata de metas de saúde em particular, as metas de tudo ou nada - que geralmente são baseadas em expectativas irrealistas e não deixam qualquer margem de manobra - são uma preparação para o fracasso.

Apenas 8 por cento das pessoas realmente mantêm suas resoluções de Ano Novo, de acordo com uma estatística comumente citada. Existem muitas razões pelas quais as pessoas não conseguem cumprir suas resoluções, desde definir muitas delas até serem prejudicadas por pequenas falhas. Definir metas excessivamente ambiciosas e restritivas - como largar o açúcar quando ainda não fez pequenas mudanças para melhorar sua dieta - é uma das principais causas do fracasso. Embora você possa inicialmente se sentir inspirado e energizado ao definir metas explosivas para 2017, o brilho dessas resoluções desvanece-se rapidamente quando percebemos o quão difícil é mantê-las.

Mudanças pequenas e graduais no estilo de vida podem parecer menos atraentes, mas têm uma chance muito maior de criar uma mudança real. De acordo com a Dra. Roberta Anding, nutricionista e professora de nutrição do Baylor College of Medicine, moderar suas resoluções pode ser a diferença entre desistir em fevereiro e criar uma mudança duradoura no estilo de vida.

Quando as resoluções são ambiciosas demais, lutamos para mudar nossos hábitos, ficamos desanimados quando falhamos e, no final das contas, desistimos por completo. Portanto, em vez de tomar resoluções de linha dura este ano, Anding sugere aumentar suas chances de sucesso a longo prazo, abordando suas metas de saúde como uma "redefinição".

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização. ”

Qual é a diferença? Embora uma resolução represente uma decisão firme de fazer ou não algo, uma redefinição é uma oportunidade de “estabelecer de novo” ou definir seus hábitos de forma diferente. Com uma redefinição, você se compromete com metas moderadas e realistas e fazendo pequenas mudanças todos os dias - não apenas em 1º de janeiro. Uma redefinição também permite flexibilidade conforme você avança e descobre o que funciona e o que não funciona para você.

“Resolver não comer mais nada, como macarrão, pode não ser o objetivo mais prático”, disse Anding ao The Huffington Post por e-mail. “Uma redefinição permite um plano B, e a ideia é que você defina metas viáveis ​​para você, sua família e suas circunstâncias.”

Digamos que você esteja pensando em desistir da carne vermelha como sua resolução para 2017. Seguindo a abordagem de Anding, você pode decidir comer um hambúrguer apenas uma vez por semana ou cortar o tamanho das porções de carne pela metade e adicionar mais vegetais ao seu prato.

“Você pode ter uma comida favorita, mas o tamanho da porção é a chave”, acrescentou Anding. “Isso permite situações sociais, comer fora com seu chefe e festas familiares.”

Outra desvantagem das resoluções é que elas normalmente têm uma data de início clara, como 1º de janeiro, o que leva seu cérebro a pensar que elas também têm uma data de término. Uma redefinição, por outro lado, trata da criação de hábitos saudáveis ​​de longo prazo.

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização ”, disse Anding. “Se sua meta é comer mais frutas e vegetais, você pode redefinir essa meta todos os dias. Se você não alcançou essa meta, você pode reavaliar todos os dias. ”

Mas ser realista não significa comprometer seus objetivos. Se suas “reinicializações” forem bem-sucedidas, você pode se esforçar para eliminar um determinado alimento completamente ou tornar um novo hábito um cotidiano.

Seja o que for que você decida se comprometer, o importante é usar a energia do novo ano como uma oportunidade para fazer mudanças importantes para a sua saúde.

“Ao definir metas para um novo ano, torne-as relacionadas à saúde”, disse Anding. “Este é o seu 401K mais importante: investir no seu corpo e na sua sensação de bem-estar.”

Se você precisar de um pouco de inspiração, verifique nossa lista de 50 resoluções saudáveis ​​de Ano Novo que não envolvem perder peso.


As resoluções de ano novo e # x27s estão fadadas ao fracasso. Em vez disso, tente isso.

Quando se trata de definir as resoluções de Ano Novo, a maioria das pessoas atira para a lua. Dizemos a nós mesmos que este será o ano em que abandonaremos os carboidratos, correremos todas as manhãs, nos tornaremos veganos ou pararemos de beber.

Inevitavelmente, três semanas depois, nos encontramos de volta ao ponto de partida. O que da?

Quando se trata de metas de saúde em particular, as metas de tudo ou nada - que geralmente são baseadas em expectativas irreais e não deixam qualquer margem de manobra - são uma preparação para o fracasso.

Apenas 8 por cento das pessoas realmente mantêm suas resoluções de Ano Novo, de acordo com uma estatística comumente citada. Existem muitas razões pelas quais as pessoas não conseguem cumprir suas resoluções, desde definir muitas delas até serem prejudicadas por pequenas falhas. Definir metas excessivamente ambiciosas e restritivas - como largar o açúcar quando ainda não fez pequenas mudanças para melhorar sua dieta - é uma das principais causas do fracasso. Embora você possa inicialmente se sentir inspirado e energizado ao definir metas explosivas para 2017, o brilho dessas resoluções desvanece-se rapidamente quando percebemos o quão difícil é mantê-las.

Mudanças pequenas e graduais no estilo de vida podem parecer menos atraentes, mas têm uma chance muito maior de criar uma mudança real. De acordo com a Dra. Roberta Anding, nutricionista e professora de nutrição do Baylor College of Medicine, moderar suas resoluções pode ser a diferença entre desistir em fevereiro e criar uma mudança duradoura no estilo de vida.

Quando as resoluções são ambiciosas demais, lutamos para mudar nossos hábitos, ficamos desanimados quando falhamos e, no final das contas, desistimos de vez. Portanto, em vez de tomar resoluções de linha dura este ano, Anding sugere aumentar suas chances de sucesso a longo prazo, abordando suas metas de saúde como uma "redefinição".

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização. ”

Qual é a diferença? Enquanto uma resolução representa uma decisão firme de fazer ou não fazer algo, uma redefinição é uma oportunidade de “estabelecer novamente” ou definir seus hábitos de forma diferente. Com uma redefinição, você se compromete com metas moderadas e realistas e fazendo pequenas mudanças todos os dias - não apenas em 1º de janeiro. Uma redefinição também permite flexibilidade conforme você avança e descobre o que funciona e o que não funciona para você.

“Resolver não comer mais nada, como macarrão, pode não ser o objetivo mais prático”, disse Anding ao The Huffington Post por e-mail. “Uma redefinição permite um plano B, e a ideia é que você defina metas viáveis ​​para você, sua família e suas circunstâncias.”

Digamos que você esteja pensando em desistir da carne vermelha como sua resolução para 2017. Tomando a abordagem de Anding, você pode decidir se deliciar com um hambúrguer apenas uma vez por semana ou cortar o tamanho das porções de carne pela metade e adicionar mais vegetais ao seu prato.

“Você pode ter uma comida favorita, mas o tamanho da porção é a chave”, acrescentou Anding. “Isso permite situações sociais, comer fora com seu chefe e festas familiares.”

Outra desvantagem das resoluções é que geralmente têm uma data de início clara, como 1º de janeiro, o que leva seu cérebro a pensar que também têm uma data de término. Uma redefinição, por outro lado, tem a ver com a criação de hábitos saudáveis ​​de longo prazo.

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização ”, disse Anding. “Se sua meta é comer mais frutas e vegetais, você pode redefinir essa meta todos os dias. Se você não atingiu essa meta, pode reavaliar todos os dias. ”

Mas ser realista não significa comprometer seus objetivos. Se suas “reinicializações” forem bem-sucedidas, você pode se esforçar para eliminar um determinado alimento completamente ou tornar um novo hábito um cotidiano.

Seja o que for que você decida se comprometer, o importante é usar a energia do ano novo como uma oportunidade para fazer mudanças importantes para a sua saúde.

“Ao definir metas para um novo ano, torne-as relacionadas à saúde”, disse Anding. “Este é o seu 401K mais importante: investir no seu corpo e na sua sensação de bem-estar.”

Se você precisar de um pouco de inspiração, verifique nossa lista de 50 resoluções saudáveis ​​de Ano Novo que não envolvem perder peso.


As resoluções de ano novo e # x27s estão fadadas ao fracasso. Em vez disso, tente isso.

Quando se trata de definir as resoluções de Ano Novo, a maioria das pessoas atira para a lua. Dizemos a nós mesmos que este será o ano em que abandonaremos os carboidratos, correremos todas as manhãs, nos tornaremos veganos ou pararemos de beber.

Inevitavelmente, três semanas depois, nos encontramos de volta ao ponto de partida. O que da?

Quando se trata de metas de saúde em particular, as metas de tudo ou nada - que geralmente são baseadas em expectativas irreais e não deixam qualquer margem de manobra - são uma preparação para o fracasso.

Apenas 8 por cento das pessoas realmente mantêm suas resoluções de Ano Novo, de acordo com uma estatística comumente citada. Existem muitas razões pelas quais as pessoas não conseguem cumprir suas resoluções, desde definir muitas delas até serem prejudicadas por pequenas falhas. Definir metas excessivamente ambiciosas e restritivas - como largar o açúcar quando ainda não fez pequenas mudanças para melhorar sua dieta - é uma das principais causas do fracasso. Embora você possa inicialmente se sentir inspirado e energizado ao definir metas explosivas para 2017, o brilho dessas resoluções desvanece-se rapidamente quando percebemos o quão difícil é mantê-las.

Mudanças pequenas e graduais no estilo de vida podem parecer menos atraentes, mas têm uma chance muito maior de criar uma mudança real. De acordo com a Dra. Roberta Anding, nutricionista e professora de nutrição do Baylor College of Medicine, moderar suas resoluções pode ser a diferença entre desistir em fevereiro e criar uma mudança duradoura no estilo de vida.

Quando as resoluções são ambiciosas demais, lutamos para mudar nossos hábitos, ficamos desanimados quando falhamos e, no final das contas, desistimos de vez. Portanto, em vez de tomar resoluções de linha dura este ano, Anding sugere aumentar suas chances de sucesso a longo prazo, abordando suas metas de saúde como uma "redefinição".

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização. ”

Qual é a diferença? Embora uma resolução represente uma decisão firme de fazer ou não algo, uma redefinição é uma oportunidade de “estabelecer de novo” ou definir seus hábitos de forma diferente. Com uma redefinição, você se compromete com metas moderadas e realistas e fazendo pequenas mudanças todos os dias - não apenas em 1º de janeiro. Uma redefinição também permite flexibilidade conforme você avança e descobre o que funciona e o que não funciona para você.

“Resolver não comer mais nada, como macarrão, pode não ser o objetivo mais prático”, disse Anding ao The Huffington Post por e-mail. “Uma redefinição permite um plano B, e a ideia é que você defina metas viáveis ​​para você, sua família e suas circunstâncias.”

Digamos que você esteja pensando em desistir da carne vermelha como sua resolução para 2017. Tomando a abordagem de Anding, você pode decidir se deliciar com um hambúrguer apenas uma vez por semana ou cortar o tamanho das porções de carne pela metade e adicionar mais vegetais ao seu prato.

“Você pode ter uma comida favorita, mas o tamanho da porção é a chave”, acrescentou Anding. “Isso permite situações sociais, comer fora com seu chefe e festas familiares.”

Outra desvantagem das resoluções é que elas normalmente têm uma data de início clara, como 1º de janeiro, o que leva seu cérebro a pensar que elas também têm uma data de término. Uma redefinição, por outro lado, tem a ver com a criação de hábitos saudáveis ​​de longo prazo.

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização ”, disse Anding. “Se sua meta é comer mais frutas e vegetais, você pode redefinir essa meta todos os dias. Se você não alcançou essa meta, você pode reavaliar todos os dias. ”

Mas ser realista não significa comprometer seus objetivos. Se suas “reinicializações” forem bem-sucedidas, você pode se esforçar para eliminar um determinado alimento completamente ou tornar um novo hábito um cotidiano.

Seja o que for que você decida se comprometer, o importante é usar a energia do novo ano como uma oportunidade para fazer mudanças importantes para a sua saúde.

“Ao definir metas para um novo ano, torne-as relacionadas à saúde”, disse Anding. “Este é o seu 401K mais importante: investir no seu corpo e na sua sensação de bem-estar.”

Se você precisar de um pouco de inspiração, verifique nossa lista de 50 resoluções saudáveis ​​de Ano Novo que não envolvem perder peso.


As resoluções de ano novo e # x27s estão fadadas ao fracasso. Em vez disso, tente isso.

Quando se trata de definir as resoluções de Ano Novo, a maioria das pessoas atira para a lua. Dizemos a nós mesmos que este será o ano em que abandonaremos os carboidratos, correremos todas as manhãs, nos tornaremos veganos ou pararemos de beber.

Inevitavelmente, três semanas depois, nos encontramos de volta ao ponto de partida. O que da?

Quando se trata de metas de saúde em particular, as metas de tudo ou nada - que geralmente são baseadas em expectativas irreais e não deixam qualquer margem de manobra - são uma preparação para o fracasso.

Apenas 8 por cento das pessoas realmente mantêm suas resoluções de Ano Novo, de acordo com uma estatística comumente citada. Existem muitas razões pelas quais as pessoas não conseguem cumprir suas resoluções, desde definir muitas delas até serem prejudicadas por pequenas falhas. Definir metas excessivamente ambiciosas e restritivas - como largar o açúcar quando ainda não fez pequenas mudanças para melhorar sua dieta - é uma das principais causas do fracasso. Embora você possa inicialmente se sentir inspirado e energizado ao definir metas explosivas para 2017, o brilho dessas resoluções desvanece-se rapidamente quando percebemos o quão difícil é mantê-las.

Mudanças pequenas e graduais no estilo de vida podem parecer menos atraentes, mas têm uma chance muito maior de criar uma mudança real. De acordo com a Dra. Roberta Anding, nutricionista e professora de nutrição do Baylor College of Medicine, moderar suas resoluções pode ser a diferença entre desistir em fevereiro e criar uma mudança duradoura no estilo de vida.

Quando as resoluções são ambiciosas demais, lutamos para mudar nossos hábitos, ficamos desanimados quando falhamos e, no final das contas, desistimos por completo. Portanto, em vez de tomar resoluções de linha dura este ano, Anding sugere aumentar suas chances de sucesso a longo prazo, abordando suas metas de saúde como uma "redefinição".

“1º de janeiro significa um novo começo. No entanto, cada dia permite um novo começo e, portanto, é uma reinicialização. ”

Qual é a diferença? Embora uma resolução represente uma decisão firme de fazer ou não algo, uma redefinição é uma oportunidade de “estabelecer de novo” ou definir seus hábitos de forma diferente. Com uma redefinição, você se compromete com metas moderadas e realistas e fazendo pequenas mudanças todos os dias - não apenas em 1º de janeiro. Uma redefinição também permite flexibilidade conforme você avança e descobre o que funciona e o que não funciona para você.

“Resolver não comer mais nada, como macarrão, pode não ser o objetivo mais prático”, disse Anding ao The Huffington Post por e-mail. “Uma redefinição permite um plano B, e a ideia é que você defina metas viáveis ​​para você, sua família e suas circunstâncias.”

Digamos que você esteja pensando em desistir da carne vermelha como sua resolução para 2017. Seguindo a abordagem de Anding, você pode decidir comer um hambúrguer apenas uma vez por semana ou cortar o tamanho das porções de carne pela metade e adicionar mais vegetais ao seu prato.

“Você pode ter uma comida favorita, mas o tamanho da porção é a chave”, acrescentou Anding. “Isso permite situações sociais, comer fora com seu chefe e festas familiares.”

Another disadvantage of resolutions is that they typically have a clear start date, like Jan. 1, which tricks your brain into thinking that they have an end date, too. A reset, on the other hand, is about creating healthy habits for the long term.

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset,” Anding said. “If your goal is eating more fruits and vegetables, you can reset this goal every day. If you didn’t achieve this goal, you can re-evaluate every day.”

But being realistic doesn’t have to mean compromising on your goals. If your “resets” are successful, you can work up to eliminating a certain food completely or making a new habit an everyday one.

Whatever you decide to commit to, the important thing is to use the energy of the new year as an opportunity to make important changes for your health.

“When setting goals for a new year, make them health-related,” Anding said. “This is your most important 401K: investing in your body and your sense of well-being.”

If you need a little inspiration, check out our list of 50 healthy New Year’s resolutions that don’t involve losing weight.


New Year's Resolutions Are Bound To Fail. Try This Instead.

When it comes to setting New Year’s resolutions, most people shoot for the moon. We tell ourselves that this will be the year we’ll give up carbs, go running every morning, become a vegan or quit drinking.

Inevitably, three weeks later, we find ourselves right back where we started. What gives?

When it comes to health goals in particular, all-or-nothing goals ― which are usually based on unrealistic expectations and don’t leave any wiggle room ― are a setup for failure.

Only 8 percent of people actually keep their New Year’s resolutions, according to one commonly cited statistic. There are many reasons people can’t stick to their resolutions, from setting too many of them to getting derailed by small failures. Setting overly ambitious and restrictive goals ― like quitting sugar when you haven’t already been making small changes to improve your diet ― is one major cause of failure. While you might initially feel inspired and energized by setting blowout goals for 2017, the luster of these resolutions fades quickly when we realize how difficult they are to keep.

Small, incremental lifestyle changes may feel less sexy, but they have a much greater chance of creating real change. According to Dr. Roberta Anding, a registered dietician and nutrition professor at Baylor College of Medicine, moderating your resolutions could be the difference between giving up in February and creating a lasting lifestyle change.

When resolutions are too ambitious, we struggle to change our habits, become discouraged when we fail and ultimately give up altogether. So instead of making hard-line resolutions this year, Anding suggests increasing your chances for long-term success by approaching your health goals as a “reset.”

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset.”

What’s the difference? While a resolution represents a firm decision to do or not do something, a reset is an opportunity to “set again,” or set your habits differently. With a reset, you commit to moderate, realistic goals and making small changes every day ― not just on Jan. 1. A reset also allows for flexibility as you progress and figure out what does and doesn’t work for you.

“Resolving not to eat something anymore, such as pasta, may not be the most practical goal,” Anding told The Huffington Post in an email. “A reset allows for a plan B, and the thought is that you set goals that are doable for you, your family and your circumstances.”

Say you’re thinking about giving up red meat as your resolution for 2017. Taking Anding’s approach, you might decide to only indulge in a burger once a week, or cut your meat portion sizes in half and add more vegetables to your plate instead.

“You can have a favorite food, but the portion size is the key,” Anding added. “It allows for social situations, eating out with your boss and family parties.”

Another disadvantage of resolutions is that they typically have a clear start date, like Jan. 1, which tricks your brain into thinking that they have an end date, too. A reset, on the other hand, is about creating healthy habits for the long term.

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset,” Anding said. “If your goal is eating more fruits and vegetables, you can reset this goal every day. If you didn’t achieve this goal, you can re-evaluate every day.”

But being realistic doesn’t have to mean compromising on your goals. If your “resets” are successful, you can work up to eliminating a certain food completely or making a new habit an everyday one.

Whatever you decide to commit to, the important thing is to use the energy of the new year as an opportunity to make important changes for your health.

“When setting goals for a new year, make them health-related,” Anding said. “This is your most important 401K: investing in your body and your sense of well-being.”

If you need a little inspiration, check out our list of 50 healthy New Year’s resolutions that don’t involve losing weight.


New Year's Resolutions Are Bound To Fail. Try This Instead.

When it comes to setting New Year’s resolutions, most people shoot for the moon. We tell ourselves that this will be the year we’ll give up carbs, go running every morning, become a vegan or quit drinking.

Inevitably, three weeks later, we find ourselves right back where we started. What gives?

When it comes to health goals in particular, all-or-nothing goals ― which are usually based on unrealistic expectations and don’t leave any wiggle room ― are a setup for failure.

Only 8 percent of people actually keep their New Year’s resolutions, according to one commonly cited statistic. There are many reasons people can’t stick to their resolutions, from setting too many of them to getting derailed by small failures. Setting overly ambitious and restrictive goals ― like quitting sugar when you haven’t already been making small changes to improve your diet ― is one major cause of failure. While you might initially feel inspired and energized by setting blowout goals for 2017, the luster of these resolutions fades quickly when we realize how difficult they are to keep.

Small, incremental lifestyle changes may feel less sexy, but they have a much greater chance of creating real change. According to Dr. Roberta Anding, a registered dietician and nutrition professor at Baylor College of Medicine, moderating your resolutions could be the difference between giving up in February and creating a lasting lifestyle change.

When resolutions are too ambitious, we struggle to change our habits, become discouraged when we fail and ultimately give up altogether. So instead of making hard-line resolutions this year, Anding suggests increasing your chances for long-term success by approaching your health goals as a “reset.”

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset.”

What’s the difference? While a resolution represents a firm decision to do or not do something, a reset is an opportunity to “set again,” or set your habits differently. With a reset, you commit to moderate, realistic goals and making small changes every day ― not just on Jan. 1. A reset also allows for flexibility as you progress and figure out what does and doesn’t work for you.

“Resolving not to eat something anymore, such as pasta, may not be the most practical goal,” Anding told The Huffington Post in an email. “A reset allows for a plan B, and the thought is that you set goals that are doable for you, your family and your circumstances.”

Say you’re thinking about giving up red meat as your resolution for 2017. Taking Anding’s approach, you might decide to only indulge in a burger once a week, or cut your meat portion sizes in half and add more vegetables to your plate instead.

“You can have a favorite food, but the portion size is the key,” Anding added. “It allows for social situations, eating out with your boss and family parties.”

Another disadvantage of resolutions is that they typically have a clear start date, like Jan. 1, which tricks your brain into thinking that they have an end date, too. A reset, on the other hand, is about creating healthy habits for the long term.

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset,” Anding said. “If your goal is eating more fruits and vegetables, you can reset this goal every day. If you didn’t achieve this goal, you can re-evaluate every day.”

But being realistic doesn’t have to mean compromising on your goals. If your “resets” are successful, you can work up to eliminating a certain food completely or making a new habit an everyday one.

Whatever you decide to commit to, the important thing is to use the energy of the new year as an opportunity to make important changes for your health.

“When setting goals for a new year, make them health-related,” Anding said. “This is your most important 401K: investing in your body and your sense of well-being.”

If you need a little inspiration, check out our list of 50 healthy New Year’s resolutions that don’t involve losing weight.


New Year's Resolutions Are Bound To Fail. Try This Instead.

When it comes to setting New Year’s resolutions, most people shoot for the moon. We tell ourselves that this will be the year we’ll give up carbs, go running every morning, become a vegan or quit drinking.

Inevitably, three weeks later, we find ourselves right back where we started. What gives?

When it comes to health goals in particular, all-or-nothing goals ― which are usually based on unrealistic expectations and don’t leave any wiggle room ― are a setup for failure.

Only 8 percent of people actually keep their New Year’s resolutions, according to one commonly cited statistic. There are many reasons people can’t stick to their resolutions, from setting too many of them to getting derailed by small failures. Setting overly ambitious and restrictive goals ― like quitting sugar when you haven’t already been making small changes to improve your diet ― is one major cause of failure. While you might initially feel inspired and energized by setting blowout goals for 2017, the luster of these resolutions fades quickly when we realize how difficult they are to keep.

Small, incremental lifestyle changes may feel less sexy, but they have a much greater chance of creating real change. According to Dr. Roberta Anding, a registered dietician and nutrition professor at Baylor College of Medicine, moderating your resolutions could be the difference between giving up in February and creating a lasting lifestyle change.

When resolutions are too ambitious, we struggle to change our habits, become discouraged when we fail and ultimately give up altogether. So instead of making hard-line resolutions this year, Anding suggests increasing your chances for long-term success by approaching your health goals as a “reset.”

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset.”

What’s the difference? While a resolution represents a firm decision to do or not do something, a reset is an opportunity to “set again,” or set your habits differently. With a reset, you commit to moderate, realistic goals and making small changes every day ― not just on Jan. 1. A reset also allows for flexibility as you progress and figure out what does and doesn’t work for you.

“Resolving not to eat something anymore, such as pasta, may not be the most practical goal,” Anding told The Huffington Post in an email. “A reset allows for a plan B, and the thought is that you set goals that are doable for you, your family and your circumstances.”

Say you’re thinking about giving up red meat as your resolution for 2017. Taking Anding’s approach, you might decide to only indulge in a burger once a week, or cut your meat portion sizes in half and add more vegetables to your plate instead.

“You can have a favorite food, but the portion size is the key,” Anding added. “It allows for social situations, eating out with your boss and family parties.”

Another disadvantage of resolutions is that they typically have a clear start date, like Jan. 1, which tricks your brain into thinking that they have an end date, too. A reset, on the other hand, is about creating healthy habits for the long term.

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset,” Anding said. “If your goal is eating more fruits and vegetables, you can reset this goal every day. If you didn’t achieve this goal, you can re-evaluate every day.”

But being realistic doesn’t have to mean compromising on your goals. If your “resets” are successful, you can work up to eliminating a certain food completely or making a new habit an everyday one.

Whatever you decide to commit to, the important thing is to use the energy of the new year as an opportunity to make important changes for your health.

“When setting goals for a new year, make them health-related,” Anding said. “This is your most important 401K: investing in your body and your sense of well-being.”

If you need a little inspiration, check out our list of 50 healthy New Year’s resolutions that don’t involve losing weight.


New Year's Resolutions Are Bound To Fail. Try This Instead.

When it comes to setting New Year’s resolutions, most people shoot for the moon. We tell ourselves that this will be the year we’ll give up carbs, go running every morning, become a vegan or quit drinking.

Inevitably, three weeks later, we find ourselves right back where we started. What gives?

When it comes to health goals in particular, all-or-nothing goals ― which are usually based on unrealistic expectations and don’t leave any wiggle room ― are a setup for failure.

Only 8 percent of people actually keep their New Year’s resolutions, according to one commonly cited statistic. There are many reasons people can’t stick to their resolutions, from setting too many of them to getting derailed by small failures. Setting overly ambitious and restrictive goals ― like quitting sugar when you haven’t already been making small changes to improve your diet ― is one major cause of failure. While you might initially feel inspired and energized by setting blowout goals for 2017, the luster of these resolutions fades quickly when we realize how difficult they are to keep.

Small, incremental lifestyle changes may feel less sexy, but they have a much greater chance of creating real change. According to Dr. Roberta Anding, a registered dietician and nutrition professor at Baylor College of Medicine, moderating your resolutions could be the difference between giving up in February and creating a lasting lifestyle change.

When resolutions are too ambitious, we struggle to change our habits, become discouraged when we fail and ultimately give up altogether. So instead of making hard-line resolutions this year, Anding suggests increasing your chances for long-term success by approaching your health goals as a “reset.”

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset.”

What’s the difference? While a resolution represents a firm decision to do or not do something, a reset is an opportunity to “set again,” or set your habits differently. With a reset, you commit to moderate, realistic goals and making small changes every day ― not just on Jan. 1. A reset also allows for flexibility as you progress and figure out what does and doesn’t work for you.

“Resolving not to eat something anymore, such as pasta, may not be the most practical goal,” Anding told The Huffington Post in an email. “A reset allows for a plan B, and the thought is that you set goals that are doable for you, your family and your circumstances.”

Say you’re thinking about giving up red meat as your resolution for 2017. Taking Anding’s approach, you might decide to only indulge in a burger once a week, or cut your meat portion sizes in half and add more vegetables to your plate instead.

“You can have a favorite food, but the portion size is the key,” Anding added. “It allows for social situations, eating out with your boss and family parties.”

Another disadvantage of resolutions is that they typically have a clear start date, like Jan. 1, which tricks your brain into thinking that they have an end date, too. A reset, on the other hand, is about creating healthy habits for the long term.

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset,” Anding said. “If your goal is eating more fruits and vegetables, you can reset this goal every day. If you didn’t achieve this goal, you can re-evaluate every day.”

But being realistic doesn’t have to mean compromising on your goals. If your “resets” are successful, you can work up to eliminating a certain food completely or making a new habit an everyday one.

Whatever you decide to commit to, the important thing is to use the energy of the new year as an opportunity to make important changes for your health.

“When setting goals for a new year, make them health-related,” Anding said. “This is your most important 401K: investing in your body and your sense of well-being.”

If you need a little inspiration, check out our list of 50 healthy New Year’s resolutions that don’t involve losing weight.


New Year's Resolutions Are Bound To Fail. Try This Instead.

When it comes to setting New Year’s resolutions, most people shoot for the moon. We tell ourselves that this will be the year we’ll give up carbs, go running every morning, become a vegan or quit drinking.

Inevitably, three weeks later, we find ourselves right back where we started. What gives?

When it comes to health goals in particular, all-or-nothing goals ― which are usually based on unrealistic expectations and don’t leave any wiggle room ― are a setup for failure.

Only 8 percent of people actually keep their New Year’s resolutions, according to one commonly cited statistic. There are many reasons people can’t stick to their resolutions, from setting too many of them to getting derailed by small failures. Setting overly ambitious and restrictive goals ― like quitting sugar when you haven’t already been making small changes to improve your diet ― is one major cause of failure. While you might initially feel inspired and energized by setting blowout goals for 2017, the luster of these resolutions fades quickly when we realize how difficult they are to keep.

Small, incremental lifestyle changes may feel less sexy, but they have a much greater chance of creating real change. According to Dr. Roberta Anding, a registered dietician and nutrition professor at Baylor College of Medicine, moderating your resolutions could be the difference between giving up in February and creating a lasting lifestyle change.

When resolutions are too ambitious, we struggle to change our habits, become discouraged when we fail and ultimately give up altogether. So instead of making hard-line resolutions this year, Anding suggests increasing your chances for long-term success by approaching your health goals as a “reset.”

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset.”

What’s the difference? While a resolution represents a firm decision to do or not do something, a reset is an opportunity to “set again,” or set your habits differently. With a reset, you commit to moderate, realistic goals and making small changes every day ― not just on Jan. 1. A reset also allows for flexibility as you progress and figure out what does and doesn’t work for you.

“Resolving not to eat something anymore, such as pasta, may not be the most practical goal,” Anding told The Huffington Post in an email. “A reset allows for a plan B, and the thought is that you set goals that are doable for you, your family and your circumstances.”

Say you’re thinking about giving up red meat as your resolution for 2017. Taking Anding’s approach, you might decide to only indulge in a burger once a week, or cut your meat portion sizes in half and add more vegetables to your plate instead.

“You can have a favorite food, but the portion size is the key,” Anding added. “It allows for social situations, eating out with your boss and family parties.”

Another disadvantage of resolutions is that they typically have a clear start date, like Jan. 1, which tricks your brain into thinking that they have an end date, too. A reset, on the other hand, is about creating healthy habits for the long term.

“January 1 signifies a new beginning. However, each day allows for a new beginning, and hence it is a reset,” Anding said. “If your goal is eating more fruits and vegetables, you can reset this goal every day. If you didn’t achieve this goal, you can re-evaluate every day.”

But being realistic doesn’t have to mean compromising on your goals. If your “resets” are successful, you can work up to eliminating a certain food completely or making a new habit an everyday one.

Whatever you decide to commit to, the important thing is to use the energy of the new year as an opportunity to make important changes for your health.

“When setting goals for a new year, make them health-related,” Anding said. “This is your most important 401K: investing in your body and your sense of well-being.”

If you need a little inspiration, check out our list of 50 healthy New Year’s resolutions that don’t involve losing weight.


Assista o vídeo: Marquinhos Gomes - Não Morrerei Clipe Oficial