Novas receitas

Métodos sustentáveis ​​de frutos do mar questionados

Métodos sustentáveis ​​de frutos do mar questionados


Certificações e rótulos dão 'falsas promessas', dizem os pesquisadores

Como Toda a comida e outras lojas começam a eliminar os frutos do mar questionáveis ​​que não podem ser certificados pelo Marine Stewardship Council, a mudança para frutos do mar "verdes" está fazendo com que outros questionem os padrões.

Não só prejudica o pescador que vendeu sua pesca para a Whole Foods, observa o The New York Times, como também não é tão sustentável quanto você pode imaginar. The Washington Post avalia um novo estudo que descobriu que quase 31% dos peixes com certificação MS - supostamente o padrão ouro de frutos do mar sustentáveis ​​- ainda eram sobreexplorados. Isso fez com que os pesquisadores questionassem as práticas sustentáveis ​​de gestão da pesca e dos estoques. Algumas pescarias aprovadas pelo conselho certamente não parecem sustentáveis ​​ou gentis para os amigos do mar - observe uma pescaria de espadarte canadense conhecida por matar um grande número de tubarões e tartarugas marinhas a cada ano. Disse um pescador, David Goethel, ao The New York Times: "Então, usar a palavra 'sustentável' talvez fique bem em sua propaganda. Mas, sem ser muito severo, não significa absolutamente nada."

Outros discordam e dizem que a mudança para a compra de frutos do mar sustentáveis ​​ainda vale a pena. A Whole Foods insiste que os produtos que eles vão descontinuar, linguado cinza e raia, serão substituídos por peixes alternativos.


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando levemente no vapor.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para adicionar um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado geralmente é servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nossa série Guia essencial para frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando no vapor delicadamente.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado geralmente é servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nossa série Guia essencial para frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando levemente no vapor.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado é geralmente servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros, como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nossa série Guia essencial para frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando no vapor delicadamente.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado é geralmente servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nossa série Guia essencial para frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando no vapor delicadamente.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para adicionar um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado geralmente é servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros, como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nosso Guia Essencial para a série de frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando levemente no vapor.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para adicionar um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado geralmente é servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nosso Guia Essencial para a série de frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando no vapor delicadamente.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado é geralmente servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nosso Guia Essencial para a série de frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando levemente no vapor.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para adicionar um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado geralmente é servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. Além disso, adicionar aromáticos como alecrim fresco e raminhos de tomilho diversificará muito o sabor. Para peixes mais delicados, experimente assar lentamente a 275 F (o dobro do tempo de cozimento).

Use peixes que são: Filetes gordurosos, grandes ou inteiros

6. Grelhar: Uma opção prática para obter aquele sabor a grelhados sem utilizar grelhador. Esta técnica é perfeita para filés (de qualquer tamanho) e peixes pequenos e inteiros como porgy ou robalo. Cozinhe os filés descongelados ou congelados em um forno a 400 F (375 F para peixes inteiros).

Use peixes que são: Filetes gordurosos e grossos

7. Cru: Ao comer seu peixe cru, certifique-se de que esteja bem fresco e coma-o imediatamente. (Peixe que foi devidamente congelado e descongelado lentamente é considerado muito fresco.) Corte o peixe em fatias finas e sirva com arroz ou um molho refrescante.

Use peixes que são: A qualidade é mais importante do que o tipo ou as características. Como resultado, peixes mais gordurosos como barriga de atum têm um sabor mais picante.

8. Curado: Essencialmente, o peixe é “cozinhado” sem calor. Trate o peixe cru com ácido, como o suco de limão, para o ceviche, ou com sal e temperos, como o gravlax, para uma forma fácil de comer o peixe sem muito preparo.

Use peixes que são: Tal como acontece com o peixe cru, a qualidade é mais importante do que o tipo.

Para obter mais inspiração sobre como colocar as técnicas acima em uso, verifique nossas receitas sustentáveis ​​de frutos do mar.

Leia mais em nossa série Guia essencial para frutos do mar sustentáveis:


Domine a arte de cozinhar peixes

Frutos do mar sustentáveis ​​não são apenas nutritivos (uma excelente fonte de proteína magra), mas também incrivelmente versáteis, o que significa que as maneiras de cozinhá-los e os sabores potenciais são infinitas.

Grelhado, escalfado, grelhado, curado, cru - são apenas algumas das muitas maneiras pelas quais você pode saborear peixes. Em primeiro lugar, ao cozinhar peixes, ajuda saber que tipos de peixes são melhores para determinados preparativos. Por exemplo, peixes gordurosos e carnudos como o salmão são bons para assar e tostar na frigideira. Já peixes magros, de carne branca e escamosa, como o robalo, são bons para aplicações em altas temperaturas, como grelhar e grelhar. Para começar, aqui estão oito técnicas de preparação simples que o colocarão no caminho certo para se tornar um mestre na cozinha de peixes.

1. En Papillote (francês para "em um papel"): Esta técnica é apenas para filés (nenhum peixe inteiro aqui). Envolva cada filé em um saco de pergaminho e leve ao forno, cozinhando levemente no vapor.

Use peixes que são: Peixes sem pele, escamosos e de carne firme funcionam melhor. Evite peixes inteiros ou oleosos.

2. Grelhar: Requer aquecimento alto e rápido e é ideal para peixes inteiros com pele. Encha a cavidade do peixe com aromas como frutas cítricas, alho e ervas para realçar o sabor. Pincele o peixe com óleo para que não grude na grelha, além de cobrir com ervas frescas para adicionar um aditivo aromático extra.

Use peixes que são: Filetes de polpa branca, gordurosos, com pele ou inteiros.

3. Pan Searing: Ideal para um filé, com ou sem pele. Se estiver com a pele, faça algumas fendas diagonais (para evitar que o filé se enrole durante o cozimento) e cozinhe em uma panela com o lado da pele voltado para baixo.

Use peixes que são: Escamoso, firme, gorduroso. (Se estiver usando peixe magro, mantenha a pele.)

4. Caça furtiva: Mergulhe os filés de peixe completamente em água fervente ou calce - a submersão permite que o peixe seja cozido uniformemente em todos os lados. Peixe escalfado geralmente é servido frio com molho holandês e batatas novas.

Use peixes que são: Magro, escamoso. Use peixe muito fresco, evite peixes excessivamente oleosos.

5. Torrefação: Asse em forno a 400 F para filés grossos e 375 F para peixes inteiros. In addition, adding aromatics such as fresh rosemary and thyme sprigs will greatly diversify the flavor. For more delicate fish, try slow roasting at 275 F (double the cooking time).

Use Fish That Are: Fatty, large fillets or whole

6. Broiling: A handy option to get that grilled taste without using a grill. This technique is perfect for fillets (of any size) and small, whole fish like porgy or striped bass. Cook thawed or frozen fillets in a 400 F oven (375 F for whole fish).

Use Fish That Are: Fatty, thick fillets

7. Raw: When eating your fish raw make sure it’s very fresh and eat it immediately. (Fish that has been properly frozen and thawed slowly is considered very fresh.) Slice the fish thinly and serve with rice or a refreshing dipping sauce.

Use Fish That Are: Quality is more important than type or characteristics. As a result, fattier fish like tuna belly is more pungent in flavor.

8. Cured: Essentially, the fish is “cooked” without heat. Treat raw fish with acid, like the lime juice, for ceviche, or with salt and spices, like a gravlax, for an easy way to eat fish without much preparation.

Use Fish That Are: Similarly to when eating raw fish, quality is more important than type.

For more inspiration on how to put the techniques above to use, check out our sustainable seafood recipes.

Read more in our Essential Guide to Sustainable Seafood series:


Master the Art of Fish Cooking

Sustainable seafood is not only nutritious (an excellent source of lean protein) it’s also incredibly versatile, meaning the ways to cook it and the potential flavors are endless.

Broiled, poached, grilled, cured, raw—are just a few of the many ways you can enjoy fish. First of all, when cooking fish it helps to know what types of fish are better for certain preparations. For example, fatty, meaty fish like salmon are good for roasting and pan-searing. Whereas white-fleshed, flaky, lean fish like sea bass is good for high heat applications like grilling and broiling. To start, here are eight simple preparation techniques that will set you well on your way to being a master fish cook.

1. En Papillote (French for “in a paper”): This technique is for fillets only (no whole fish here). Enclose each fillet in a parchment sack and roast in the oven, steaming them gently.

Use Fish That Are: Skinless, flaky and firm-fleshed fish works best. Avoid whole or oily fish.

2. Grilling: Requires high and quick heat and is best for a whole fish with skin. Stuff the cavity of the fish with aromatics like citrus, allium, and herbs to enhance the flavor. Brush the fish with oil so it doesn’t stick to the grate, in addition to topping with fresh herbs for an extra aromatic additive.

Use Fish That Are: White-fleshed, fatty, skin-on fillets, or whole.

3. Pan Searing: Ideal for a fillet, skin on or off. If the skin is on, score it with a few diagonal slits (to prevent the fillet from curling during cooking) and cook with the skin side down in a pan.

Use Fish That Are: Flaky, firm, fatty. (If using lean fish, keep the skin on.)

4. Poaching: Submerge fish fillets completely in simmering water or stock the submersion allows for the fish to be cooked evenly on all sides. Poached fish is often served cold with hollandaise sauce and new potatoes.

Use Fish That Are: Lean, flaky. Use very fresh fish, avoid overly oily fish.

5. Roasting: Bake in an oven at 400 F for thick fillets, and 375 F for whole fish. In addition, adding aromatics such as fresh rosemary and thyme sprigs will greatly diversify the flavor. For more delicate fish, try slow roasting at 275 F (double the cooking time).

Use Fish That Are: Fatty, large fillets or whole

6. Broiling: A handy option to get that grilled taste without using a grill. This technique is perfect for fillets (of any size) and small, whole fish like porgy or striped bass. Cook thawed or frozen fillets in a 400 F oven (375 F for whole fish).

Use Fish That Are: Fatty, thick fillets

7. Raw: When eating your fish raw make sure it’s very fresh and eat it immediately. (Fish that has been properly frozen and thawed slowly is considered very fresh.) Slice the fish thinly and serve with rice or a refreshing dipping sauce.

Use Fish That Are: Quality is more important than type or characteristics. As a result, fattier fish like tuna belly is more pungent in flavor.

8. Cured: Essentially, the fish is “cooked” without heat. Treat raw fish with acid, like the lime juice, for ceviche, or with salt and spices, like a gravlax, for an easy way to eat fish without much preparation.

Use Fish That Are: Similarly to when eating raw fish, quality is more important than type.

For more inspiration on how to put the techniques above to use, check out our sustainable seafood recipes.

Read more in our Essential Guide to Sustainable Seafood series:


Assista o vídeo: Spaghetti nero com frutos do mar - Receitas Zaffari