ao.abravanelhall.net
Novas receitas

9 maneiras de se manter saudável e em forma em um cruzeiro de férias

9 maneiras de se manter saudável e em forma em um cruzeiro de férias


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


É a época das férias de verão e, conforme pesquisam as opções de destino, muitas famílias consideram os cruzeiros a viagem ideal. Afinal, os cruzeiros podem ser significativamente mais baratos do que as férias na Europa ou mesmo uma viagem à Disney. Para aqueles que reservaram um cruzeiro neste verão ou desejam fazê-lo, um dos aspectos mais atraentes de uma viagem marítima é o grande quantidade de comida. ​

9 maneiras de se manter saudável e em forma em um cruzeiro de férias (apresentação de slides)

Muitos cruzeiros oferecem tudo incluído opções de jantar: infinitos buffets à discrição, vários restaurantes à escolha e ilimitadas barras de gelados, tudo num só lugar. Mas toda essa comida pode ser assustadora para alguém que quer fazer um cruzeiro de férias sem engordar.

Mesmo se você estiver de dieta ou quiser vestir um maiô durante as férias, ainda poderá se divertir em seu cruzeiro sem sacrificar a diversão. Conversamos com um painel de especialistas em nutrição e agentes de viagens e reunimos nove dicas para se manter saudável e magro em seu cruzeiro de férias - mesmo diante de tanta comida “grátis”. Você ainda pode comer no buffet e se deliciar um pouco (ei - são suas férias, afinal), mas você pode querer pular os bufês da meia-noite, dizer não aos sorvetes ilimitados e familiarizar-se com a academia do navio antes zarpar.

Seja Tudo Incluído e Cuidado

É fácil ficar animado com o tudo incluído aspectos de suas férias, mas é melhor evitar o canto da sereia de comida sem fim. “As excursões com tudo incluído podem parecer atraentes, mas na maioria das vezes, você estará inclinado a fazer o seu dinheiro valer a pena exagerando”, diz David Glenn, proprietário da Viagem em terra em San Antonio, Texas. “Em vez disso, opte por uma excursão ativa com a opção pré-paga. Quase tudo é negociável e nunca custa pedir. ”

O café da manhã é crucial

A refeição mais importante do dia em um navio de cruzeiro é o café da manhã. Se você pular o café da manhã, será mais provável que coma demais no almoço, e se trapacear no café da manhã, ainda terá tempo de sobra para eliminar essas calorias. Dra. Joanne Williams, uma nutricionista holística certificada, sugere ir para cafés da manhã poderosos como aveia, smoothies de frutas, omeletes de clara de ovo e iogurte grego.


9 dicas úteis para evitar ganho de peso em um cruzeiro

Minha família e eu acabamos de voltar de um cruzeiro de 10 dias a bordo do novo Carnival Vista, que começou em Barcelona e terminou em Atenas. Que experiência incrível navegar e comer no meu caminho pelo Mediterrâneo. Como a maioria das pessoas, ganhar peso em um cruzeiro é incrivelmente fácil. Ganhei 2 quilos durante meu primeiro cruzeiro há alguns anos e perder esses quilos foi um desafio, então fiz minha missão desta vez não repetir esses erros e posso felizmente relatar que meus esforços foram um sucesso (na verdade, perdi 1 quilo !).

Isso não significa que eu tenha sacrificado ótimas refeições e coquetéis durante as férias, afinal eu estava lá para provar a autêntica culinária europeia (sim, eu comi mussarela, gelato e pizza na Itália, vinho e macarons na França, torta de espinafre na Grécia, etc.) e divirta-se muito. Se evitar o temido ganho de peso durante o cruzeiro é uma alta prioridade para você, eu criei algumas estratégias simples para ajudá-lo a encontrar o equilíbrio enquanto navega no mar abundante de buffets, restaurantes e bares disponíveis durante o seu cruzeiro.

1. O equilíbrio é a chave.

Certamente há muitas tentações em um cruzeiro - bufês, coquetéis, sobremesa, pizza, cheeseburgers, sorvete, bolo de lava! Mas também há toneladas de opções saudáveis, por isso é importante fazer as melhores escolhas e manter suas porções sob controle. A sala de jantar da maioria dos navios de cruzeiro geralmente serve porções menores e pode até oferecer uma opção de sobremesa de baixa caloria. Dividir a sobremesa também é uma ótima maneira de provar sem exagerar. Os buffets também oferecem muitas opções mais saudáveis, como postos de esculturas, saladas, frutas frescas, estações de aveia e omelete, pães integrais, ovos, vegetais, sopas e muito mais. Abasteça-se de saladas, vegetais, sopas e proteínas magras. Não se apresse em suas refeições, relaxe, você está de férias! Se você comer em um ritmo moderado enquanto desfruta da companhia com que está, antes que perceba, estará satisfeito e satisfeito e não ficará tão tentado a voltar por segundos.

2. Coma fora do menu do spa.

Em vez de comer hambúrgueres e batatas fritas no almoço, optei pelo bufê de saladas. Muitos navios têm um menu de spa, como o Serenity Salad Bar do Vista, que tinha todos os fixins, como uma variedade de opções de alface e ervas frescas, quinua, chia, vegetais, etc. Yum!

3. Coma frutos do mar frescos locais.

Aproveite o peixe e o marisco frescos dentro e fora do navio, sempre que possível. Isso foi fácil de fazer no Vista, em minhas viagens pela Grécia em Rodes e Creta, pedi polvo grelhado e lula grelhada em restaurantes pitorescos. De volta ao navio, a sala de jantar costumava oferecer a captura do dia no porto de escala. Carnival & # 8217s Bonsai Restaurant tem sushi incrível por um preço baixo e novo no Vista, seu Seafood Shack também oferece a captura local do dia preparada na hora e servida em qualquer lugar a bordo, a qualquer hora, em qualquer estilo, com qualquer molho. Minha filha mais velha adora Bronzino, então pedimos isso no início do dia (recém-chegado de Nápoles) e foi preparado, grelhado na perfeição e convenientemente enviado para a nossa mesa de jantar.

4. Evite o pacote de bebidas à vontade e pule as bebidas açucaradas.

Coquetéis são ricos em calorias e somam-se rapidamente. Quando você compra o pacote de bebida, a mentalidade é que você precisa fazer o seu dinheiro valer a pena e é provável que você peça uma bebida, mesmo que não queira. Muitos coquetéis, especialmente as bebidas guarda-chuva, são carregadas com açúcar, suco de frutas, cremes, etc. Em vez disso, opte por um vinho com o jantar, e se você realmente quer uma piña colada, trate-a mais como uma sobremesa e fique com apenas uma. Para aqueles que amam refrigerantes açucarados, meu marido diz que o segredo mais bem guardado é simples & # 8230. & # 8221Pegue a soda com limão fresco & # 8221! Toda a bondade efervescente e borbulhante sem todo o açúcar.

5. Arrume seus tênis e roupas de ginástica.

Novamente, eu acredito em equilíbrio, então desfrutar de um coquetel ou sobremesa com o jantar não é o fim do mundo. Em vez disso, vá ao centro de fitness e faça exercício! Onde mais você pode se exercitar enquanto aprecia as belas vistas do oceano enquanto suando essas calorias. Aproveite as vantagens dos ginásios e centros de fitness a bordo.

6. Use a pista.

Na maioria dos navios de cruzeiro, você encontrará uma pista ao ar livre no convés do calçadão, onde você pode caminhar ou correr. O que pode ser melhor do que uma pista com uma paisagem em constante mudança com vista para o mar! No Carnival Vista, 7 voltas ao redor da pista equivalia a uma milha.

7. Pule o elevador e suba as escadas.

Eu fiz uma tonelada de caminhadas no navio para ir do meu quarto até a piscina, spa, jantar, acampamento infantil, shows, clubes de comédia, bares, etc. da frente para trás, de baixo para cima. Subir as escadas sempre que possível é uma ótima maneira de chegar ao seu destino enquanto queima algumas calorias ao longo do caminho.

8. Acompanhe seus passos e estabeleça uma meta.

Usando um Fitbit, um pedômetro ou um aplicativo de telefone que monitora seus passos (meu iPhone vem com um aplicativo de saúde gratuito que faz isso), estabeleça uma meta para você e cumpra-a. Viajando pela Europa fiz uma tonelada de caminhadas (principalmente em Roma), então aproveite as excursões que permitem que você faça algum exercício desfrutando do seu destino.

9. Queima calorias enquanto se diverte a bordo.

Ping pong, sky course, piscina, sky ride, basquete, minigolfe, quadra de esportes - há tantas maneiras de se manter ativo a bordo, aproveitar tudo o que o navio tem a oferecer e, acima de tudo, não se esqueça para me divertir. Boa Viagem!

Espero que essas dicas sejam úteis para o seu próximo cruzeiro! Você já fez um cruzeiro? Você tem dicas adicionais para compartilhar sobre como navegar nos mares enquanto observa sua cintura?

Divulgação: Carnival Cruise me convidou como imprensa para experimentar seu novo navio, o Carnival Vista. Obrigado por apoiar as marcas que tornam o Skinnytaste possível. Todos os pensamentos são sempre meus.


9 maneiras de se manter saudável e em forma em um cruzeiro de férias - receitas

Você esta usando um navegador desatualizado. Atualize seu navegador hoje ou instale o Google Chrome Frame para ter uma melhor experiência neste site.

Viagem em navio de cruzeiro

Não corra o risco de estragar seu cruzeiro de férias com uma doença inesperada. Siga estas dicas para um cruzeiro de férias seguro e saudável.

Para muitas pessoas, um cruzeiro é a maneira ideal de relaxar e conhecer o mundo. Você está cercado pelo lindo azul do oceano, é atendido por mãos e pés, tem atividades e eventos planejados para você e é fornecido com um suprimento aparentemente ilimitado de alimentos e bebidas & mdashall enquanto tem a oportunidade de visitar vários países e destinos.

Embora o cruzeiro tenha muitos prazeres óbvios, os riscos potenciais à saúde também são um risco em viagens de navio de cruzeiro. Manter-se informado e se preparar para esses riscos potenciais pode ajudá-lo a se manter saudável e a obter o máximo do seu cruzeiro de férias.

Vacinas

Independentemente do seu itinerário, você deve estar em dia com as vacinas de rotina, como sarampo / caxumba / rubéola, varicela e gripe sazonal. Membros da tripulação e companheiros de viagem geralmente vêm de países onde essas doenças são mais comuns do que nos Estados Unidos e onde a vacinação não é rotina. Consequentemente, surtos de varicela e rubéola (sarampo alemão) foram relatados em navios de cruzeiro.

As vacinas adicionais de que você precisa dependem de onde você vai parar e o que vai fazer lá. As recomendações gerais de vacinação do CDC & # 39s, por país, podem ser encontradas nas páginas de destino do Travellers & # 39 Health. No entanto, discuta o itinerário do cruzeiro e seus planos de viagem específicos com seu médico. Se você estiver parando em um país apenas por um curto período de tempo, ou se você não planeja deixar a área turística ao redor do cais, certas vacinas podem não ser necessárias.

Mesmo que você não corra o risco de contrair febre amarela durante escalas em portos, alguns países da África e da América do Sul podem exigir prova de vacinação contra a febre amarela, se você já visitou um país com febre amarela. Visite as páginas de destino para os requisitos de febre amarela de um país. Às vezes, as empresas de cruzeiros têm requisitos diferentes daqueles dos países que você visitará, portanto, verifique também com a linha de cruzeiros esses requisitos.

Vômito e diarréia

Se você estiver viajando para uma área com zika, certifique-se de seguir as recomendações do CDC para se manter saudável e seguro. Todos os viajantes para áreas com Zika devem evitar picadas de mosquito. O zika também pode ser transmitido através do sexo de uma pessoa com zika para seus parceiros sexuais, portanto, os viajantes devem usar preservativos. Os preservativos incluem preservativos masculinos e femininos.

Como o zika durante a gravidez pode causar defeitos congênitos graves, as mulheres grávidas não devem viajar para áreas com zika. Os casais que estão tentando engravidar devem conversar com seu médico sobre seus planos de viagem e consultar as orientações do CDC sobre quanto tempo você deve esperar para engravidar após viajar para uma área com zika.

Mesmo que não se sinta enjoado, você deve tomar medidas para evitar picadas de mosquito por 3 semanas após retornar de uma área com Zika. Se um mosquito picar uma pessoa infectada enquanto o vírus ainda está no sangue dessa pessoa, ele pode espalhar o vírus picando outra pessoa. Você também deve usar preservativos após viajar para áreas com zika para proteger seus parceiros. Os casais com uma parceira grávida devem usar preservativo ou não fazer sexo durante a gravidez.

Para obter mais informações sobre o zika e viagens, visite o site de informações sobre viagens sobre zika.

Foram relatados surtos de vômito e diarreia em navios de cruzeiro, causados ​​principalmente por norovírus. A melhor forma de prevenir doenças é lavar as mãos com frequência com água e sabão. Lave as mãos antes de comer e depois de usar o banheiro, trocar fraldas ou tocar em objetos que outras pessoas tenham tocado, como corrimãos de escadas, também é uma boa ideia evitar tocar em seu rosto.

Durante as excursões em terra, especialmente em países em desenvolvimento, siga os cuidados básicos com alimentos e água: coma apenas alimentos cozidos e servidos quentes, beba apenas bebidas em recipientes fechados, evite gelo e coma produtos frescos apenas se você os lavou com água limpa e descascou você mesmo.

Se você estiver se sentindo mal antes da viagem, pergunte à sua empresa de cruzeiros se há opções alternativas de cruzeiro disponíveis. Consulte seu médico para saber se é seguro velejar. Se você se sentir mal durante a viagem, relate seus sintomas ao centro médico do navio e siga suas recomendações. Para obter mais informações sobre vômitos e diarreia em navios de cruzeiro, visite o site do Programa de Saneamento de Embarcações do CDC & rsquos.

Outras preocupações de saúde

As doenças respiratórias também são comuns em navios de cruzeiro. Lavar as mãos com frequência pode evitar que você adoeça, e tossir ou espirrar em um lenço de papel (não na mão) pode impedir a propagação de germes. Tomar a vacina contra a gripe é a melhor maneira de evitar a gripe.

O enjôo é uma reclamação comum dos passageiros de navios de cruzeiro. Se você tem (ou pensa que pode estar) sujeito a enjôo, converse com seu médico sobre medicamentos para diminuir os sintomas. Observe que muitos medicamentos comuns (incluindo alguns antidepressivos, analgésicos e pílulas anticoncepcionais) podem piorar a náusea do enjôo.

Vários fatores de estresse associados a viagens e mudanças na dieta, variação no clima, mudanças no sono e nos padrões de atividade - podem piorar uma doença crônica. Se você foi diagnosticado com essa doença, deve estar preparado para monitorar sua saúde durante um cruzeiro (por exemplo, testar frequentemente o açúcar no sangue se você tiver diabetes). Se você toma remédios regularmente para uma doença crônica, certifique-se de trazer o suficiente para a duração do cruzeiro, mais extras em caso de atrasos, e tome-os no mesmo horário que faria em casa.

Para obter mais informações sobre viagens saudáveis, visite www.cdc.gov/travel.

Seguro saúde em viagens e seguro de evacuação

Você deve verificar com sua seguradora de saúde regular para ver se sua apólice cobrirá algum atendimento médico de que você possa precisar em outro país ou a bordo do navio. Caso contrário, você pode adquirir um seguro saúde para viagens para cobri-lo durante a viagem.

Além disso, procure lacunas em sua cobertura de seguro. Por exemplo, seu seguro de saúde pode não cobrir a evacuação médica se você não puder receber o tratamento necessário onde está. A evacuação por ambulância aérea pode custar $ 50.000 e ndash $ 100.000 e deve ser paga antecipadamente por pessoas que não têm seguro. Você pode comprar um seguro de evacuação médica para ter certeza de que terá acesso a cuidados de emergência. Veja mais informações sobre seguro saúde para viagens.


Fui em um cruzeiro para perder peso e aqui está o que aconteceu

Muitas pessoas pensam que os cruzeiros são sinônimo de ganho de peso, graças a todos os banquetes e bufês intermináveis. Mas, na verdade, adoro cruzeiros e descobri que eles são bastante compatíveis com meu estilo de vida saudável: são menos de cinco minutos a pé da minha cabana até a academia, e sempre há muitas frutas frescas e vegetais na hora das refeições. Dito isso, é preciso muita força de vontade para deixar de lado o buffet de sobremesas, e nem sempre volto para casa com meu peso anterior ao cruzeiro.

(PrevençãoO novo programa do torna comer comida de verdade & mdashor, como gostamos de dizer, comer comida limpa & mdasheasy! Com Coma limpo, perca peso e ame cada mordida, nada está fora dos limites.)

Mas e se você pudesse embarcar em um navio, curtir as férias e voltar em forma ainda melhor do que antes? Pode parecer um conceito maluco, mas várias empresas de estilo de vida saudável aceitaram o desafio e agora estão oferecendo cruzeiros com temas de spa, fitness e nutrição.

Eu estava cético, mas intrigado, então, quando fui convidado para participar das Férias de Rejuvenescimento dos Vigilantes do Peso no Mar, pulei a bordo ansiosamente. Admito que não tinha certeza do que esperar. Estar em um cruzeiro com tema de dieta mataria a vibração das férias? Eu me sentiria muito restrito? O cruzeiro de alguma forma pareceria trabalho? Foi assim que aconteceu.

O cruzeiro partiu de Miami em torno dos portos de escala do Caribe: Jamaica, Cozumel, Grand Cayman e Bahamas, além de dois dias no mar. Durante todo o cruzeiro e, especialmente nos dias no mar, havia reuniões opcionais, palestras, aulas de ginástica e de culinária. Tudo isso foi projetado para fazer as pessoas pensarem além da escala e realmente se concentrarem em um estilo de vida saudável. (Mantenha-se atualizado sobre as últimas notícias de saúde, com estas.)

Decidi frequentar as aulas de culinária, porque detesto cozinhar e pensei que me poderiam inspirar. Aprendi como fazer algumas trocas e ajustes simples de alimentos, que me pareceram úteis. Em vez de fritar camarão de coco, assamos o camarão, mas usamos panko em vez de pão ralado regular para cortar calorias, mantendo o sabor crocante. (Aqui estão mais 9 segredos culinários que aumentam seriamente o fator de saúde em sua alimentação.)

Enquanto eu gostava das aulas de culinária, o que eu realmente adorei foi ter a oportunidade de explorar algumas novas opções de condicionamento físico. Sou um viciado em exercícios e vou à academia uma hora por dia em casa. Mas sempre tive a mentalidade de que, se você não suar muito, não vale a pena. Ainda assim, com vários dias livres para experimentar coisas novas, me peguei inscrevendo-me em coisas como Chi Flow, uma aula de exercícios que combina meditação, movimentos lentos e intervalos cardiovasculares de baixa intensidade.

Acontece que eu adoro Chi Flow & mdashnot para o treino físico, mas para o mental. Comecei um pouco estressado (cheguei alguns minutos atrasado e o lugar estava lotado, então foi difícil encontrar um lugar), mas no final me senti muito bem, super tranquilo e relaxado. O "afastamento da energia negativa" e "apresentação do positivo" foi definitivamente um pouco woo-woo, mas assim que me soltei e realmente foquei no movimento, foi maravilhoso. Provavelmente não queimei muitas calorias, mas saí me sentindo mais saudável e leve. (Se você gosta de tai chi, vai adorar este exercício de baixo impacto que comprovadamente combate a inflamação.)

Estar no cruzeiro também me deu a oportunidade de enfrentar a perda de peso de uma perspectiva social. Estudos mostram que perder peso com um amigo ou parceiro aumenta as chances de mantê-lo, mas sempre segui esse caminho sozinho e não tinha certeza de como me sentiria se isso fosse algo em grupo. O cruzeiro incluiu várias reuniões focais, então achei melhor dar uma olhada nelas. Eles definitivamente pareciam uma terapia de grupo, mas isso não era uma coisa ruim. Também fiquei surpreso com o quanto discutimos que não tinha a ver diretamente com o peso: uma mãe disse que sua família não estava mais se conectando, porque havia muito tempo de tela em casa, outras estavam lidando com parentes doentes e empregos exigentes. A maioria dos tópicos era bastante identificável e eu saí me sentindo parte de uma comunidade de apoio. E depois de falar sobre situações difíceis, meu desejo de comer minhas emoções por meio de um biscoito não parecia tão forte.


Faça uma caminhada para a pausa para o almoço

Shutterstock

Uma pesquisa do Mercy Medical Center mostra que um número esmagador de americanos - cerca de 42% - tem deficiência de vitamina D. A vitamina é responsável não apenas por fortalecer os ossos, mas também por ajudar a melhorar o humor e a imunidade. Uma das melhores maneiras de obter mais D é simplesmente sair. Você já percebeu que alguns de seus colegas de trabalho escaparam por 30 minutos durante o almoço? Eles acertaram. Obter mais vitamina D pode ajudá-lo a seguir seu plano de condicionamento físico, porque provavelmente você será mais feliz com mais frequência e ficará doente com menos frequência.


4. Lute contra o jet lag

Você não quer perder a primeira metade do seu cruzeiro porque está com o jet lag que não está dormindo bem ou dormindo nas horas erradas. Embora o corpo de cada pessoa lide com o jet lag de maneira diferente, uma recomendação é chegar a um porto de cruzeiros distante com um ou dois dias de antecedência. Você pode passar os primeiros dias no porto se acostumando com a mudança de horário para não desmaiar no primeiro dia a bordo.

Outros truques incluem não tirar uma soneca no primeiro dia e ficar acordado até uma hora razoável de dormir, passar muito tempo fora para receber o máximo de luz natural possível e escolher um remédio médico, como a melatonina, que ajuda a ajustar os ritmos circadianos do seu corpo para um novo fuso horário. (Basta verificar com seu médico para ter certeza de que essa opção é certa para você).

Saiba mais sobre como obter o máximo da sua estadia antes do cruzeiro.


9 maneiras de lidar com pessoas intrometidas

Perguntas intrometidas. Todos nós os enfrentamos por motivos diferentes. Talvez, ao conversar um pouco com um conhecido, você inadvertidamente enfrente um tópico que prefere não discutir. Pode ser uma questão tão simples como o motivo pelo qual seu nome não corresponde ao de seu parceiro, filhos ou pais: "Você já foi casado antes?" "Qual era o nome da sua família antes de seu pai mudá-lo?" Ou a pergunta pode referir-se a algum fato sobre você que você prefere manter para si mesmo: "Por que você não está bebendo esta noite?" Você sente que não é da conta de ninguém.

As perguntas que consideramos muito pessoais podem não vir de estranhos. Às vezes, amigos ou colegas de trabalho descobrem algo sobre você que não sabiam antes, por exemplo, como você demorou cinco anos para concluir o ensino médio. O motivo pode ter sido algo muito pessoal, que você prefere que ninguém saiba. Você se sente obrigado a explicar, no entanto, porque o questionador parece genuinamente interessado.

Nessas situações, as pessoas geralmente fabricam algo que não é totalmente verdade que pode satisfazer e a conversa continua. Essa estratégia pode assombrá-lo mais tarde, no entanto, se os fatos vierem à tona. Se seu parceiro se lembrar disso, você terá que continuar a fingir a partir de então.

Ou você pode estar conversando com uma pessoa que está realizando um serviço para você, como arrumar seu cabelo ou ir ao dentista. Seu provedor de serviços pode se aventurar em um território que parece excessivamente pessoal. Você é incapaz de se mover e confrontado com um ataque de perguntas investigativas, tudo o que você pode fazer é se contorcer ou fingir dormir.

Geralmente, os psicólogos não estudam o problema da intromissão. Um conceito denominado "intromissão nepotista", no entanto, foi tema de um artigo de 2007 publicado na revista. Evolução e comportamento humano pelos psicólogos Jason Faulkner e Mark Schaller da University of British Columbia. Eles abordaram como saber sobre aqueles com quem nos acasalamos beneficiaria a espécie.

Faulkner e Schaller apontam que “não é nenhuma surpresa ... que quando as questões de sexo se cruzam com as questões de parentesco, as pessoas se importam muito” (p. 430). De acordo com o princípio da “aptidão inclusiva”, nos preocupamos (e devemos nos preocupar) mais com as pessoas geneticamente mais próximas de nós. Seria apropriado, por essa forma de pensar, ser intrometido sobre a vida sexual de nossos parentes de primeiro grau, porque o que os beneficia nos beneficia.

Antes de considerar isso uma licença para interrogar seus irmãos, pais ou filhos sobre os detalhes de sua vida sexual, lembre-se de que essa abordagem para entender a curiosidade é um tanto limitada. Você pode ter o direito evolucionário de obter informações privilegiadas sobre seus parentes, mas suas perguntas intrometidas podem não ser apreciadas. Da mesma forma, essas pessoas podem ter o direito de questioná-lo, mas você pode não ter vontade de fornecer respostas.

Embora não existam prescrições testadas empiricamente sobre como entender e lidar com a intromissão, a psicologia da comunicação pode ajudar.

Aqui estão 9 maneiras de lidar com as perguntas desagradáveis ​​que invadem seus limites:

1. Observe as pistas que sinalizam intromissão que se aproxima.

Se você tem medo que a pessoa ao seu lado em um ônibus, avião ou sala de espera se intrometa, organize a situação para que você não tenha que se aprofundar na conversa. Considere comprar algo para ler ou mexer no seu telefone. Se isso falhar, responda educadamente a algumas perguntas e mude sua atenção para outro lugar.

2. Diga a verdade.

Como afirmado anteriormente, uma vez que você começa a mentir, você pode se ver inextricavelmente preso a fatos que conversas posteriores não podem suportar. Você não tem que dar tudo os fatos, mas seja honesto sobre o que (se houver) você decidir compartilhar.

3. Decida o que torna a pergunta “intrometida”.

O questionador pode não ter má vontade em mente, mas está apenas fazendo uma pergunta comum. Pode parecer intrometido porque se relaciona a algo em sua vida a respeito do qual você é sensível. Nesse caso, sentir-se invadido pode ajudá-lo a compreender algumas de suas inseguranças e preocupações pessoais.

4. Tenha em mente a noção de "aptidão inclusiva".

Se a sobrevivência de nossas famílias é nossa prioridade, parentes podem lhe fazer perguntas, não porque se importam com você, mas porque se importam com si mesmos. A busca por informações, talvez sobre sua capacidade de ter filhos, pode se encaixar neste quadro evolutivo e não refletir nenhuma de suas próprias deficiências.

5. Pratique uma maneira socialmente aceitável de responder a perguntas comuns.

Se você receber a mesma pergunta repetidamente, crie uma resposta para usar que o ajude a evitar qualquer coisa que o faça se sentir desconfortável.

6. Use deflexão.

Em vez de engano, mude de assunto. O questionador pode não ficar feliz, mas se você sentir que as coisas estão ficando muito pessoais, mude o foco. Se você estiver em uma reunião social, encontre uma maneira de passar para outra pessoa ("Eu preciso reabastecer meu prato") ou envolver alguém próximo na conversa e, em seguida, seguir em frente discretamente.

7. Declare seu desconforto.

Pode não parecer socialmente aceitável deixar alguém saber que você se sente invadido, mas, ao tornar seus desejos conhecidos, você faz um favor a ambos. Como as pessoas podem não perceber que uma pergunta “inocente” é muito pessoal, a maioria respeitará seu desejo de se distanciar e apreciará sua honestidade em comunicá-la.

8. Perceba que algumas pessoas são "comunicadores compulsivos".

Algumas pessoas não conseguem parar de falar. Um artigo de 2015 de Robert Sidelinger da Oakland University e Derek Bolen da Angelo State descreveu como alguns alunos não param de falar em sala de aula e alguns instrutores não sabem quando dar a esses alunos a chance de participar. Alguns cabeleireiros e assistentes dentais questionam repetidamente seus clientes ou pacientes porque eles não conhecem outra maneira de interagir. Você não precisa ser forçado a ouvir sua tagarelice se ela se tornar pesada. Por meio de dicas não-verbais, diga a eles que você prefere um pouco de paz e sossego.

9. Não seja muito intrometido.

Reconhecemos com mais frequência as falhas dos outros do que as nossas semelhantes. Talvez seu interlocutor esteja retribuindo as dicas que você fornece por meio de suas próprias perguntas. Pare e considere se você perguntou um pouco demais no passado. Em caso afirmativo, reduza-o para ajudar a manter os limites da conversação.

Copyright Susan Krauss Whitbourne 2015

Faulkner, J., & amp Schaller, M. (2007). A curiosidade nepotística: aptidão inclusiva e vigilância dos relacionamentos românticos dos parentes. Evolution and Human Behavior, 28 (6), 430-438. doi: 10.1016 / j.evolhumbehav.2007.06.001

Sidelinger, R. J., & amp Bolen, D. M. (2015). Comunicação compulsiva em sala de aula: o professor talkaholic é um instrutor que se comporta mal ?. Western Journal of Communication, 79 (2), 174-196. doi: 10.1080 / 10570314.2014.943416


15 ideias incríveis de Staycation que não vão prejudicar seu orçamento

Sem tempo ou orçamento para uma escapadela de fim de semana? Esses staycations baratos são surpreendentemente luxuosos.

Se você apenas precisa se afastar de tudo, mas não tem fundos ou tempo de férias para tirar férias com a família grande, considere ficar um alojamento. Às vezes, parece ainda mais luxuoso apenas definhar em sua própria casa, evitando suas responsabilidades, renunciando a calças e gastando seu tempo como bem quiser. Quer você tenha uma pessoa querida com quem se esconder ou tire algum tempo para realmente cuidar de si mesmo sozinho, essas idéias de staycation o ajudarão a viver da melhor forma, mesmo se você estiver com um orçamento apertado.

Algumas de nossas atividades de estadia favoritas não custam dinheiro algum, enquanto outras são definitivamente mais baratas do que uma passagem de avião ou uma estadia em um hotel. E todos eles exigem um pouco de criatividade, então você terá uma boa história para contar aos seus colegas de trabalho quando voltar ao trabalho revigorado e pronto para voltar à rotina. E o melhor de tudo, todos eles cabem em um dia ou até mesmo algumas horas (pense em dias de spa em casa e noites de cinema), então você pode juntar algumas de nossas ideias para umas férias mais longas em casa ou tirar um dia pessoal para gastá-lo consigo mesmo. Experimente alguns e você terá a melhor recapitulação das férias de primavera na sala de descanso.


50 maneiras de viver uma vida mais longa e saudável

Se o seu vegetal favorito não estiver na estação, compre um saco congelado com o mesmo valor nutricional.

Os editores da AARP filtraram vários periódicos e estudos médicos para identificar as melhores ações que você pode tomar para alcançar uma vida mais longa e plena. Sabemos que não há garantias. Mas a genética é responsável por apenas 25% da longevidade de uma pessoa. O resto é com você. Com esta coleção de algumas das descobertas mais importantes sobre longevidade, você terá o roteiro necessário para chegar aos 80, 90, 100 ou mais.

Você pode ter uma dieta balanceada mesmo quando as frutas e vegetais frescos estão fora da estação, porque os congelados podem ser tão bons ou até melhores para os nutrientes que prolongam a vida. Cientistas britânicos descobriram que frutas frescas podem perder nutrientes após três dias de refrigeração, enquanto frutas congeladas não sofrem o mesmo destino. Outro estudo descobriu que os mirtilos congelados continham mais vitamina C do que os frescos.

2. Reduza o uso de analgésicos

O uso regular de analgésicos como ibuprofeno e naproxeno - incluindo marcas de venda livre como Advil, Motrin e Aleve - pode aumentar o risco de ataque cardíaco e derrame em 10 por cento, de acordo com um 2014 US Food and Drug Administration (FDA) revisão do painel consultivo. (As versões com prescrição podem aumentar o risco em 20 a 50 por cento, mesmo depois de apenas algumas semanas de uso.) Reserve esses medicamentos para dores fortes e use a menor dose possível pelo menor período de tempo.

Dormir consistentemente menos de seis horas por noite quase dobra o risco de ataque cardíaco e derrame, de acordo com uma revisão de 15 estudos publicados no European Heart Journal. Outro estudo descobriu que pessoas com privação de sono consistentemente tinham 12% mais probabilidade de morrer durante o período de estudo de 25 anos do que aquelas que dormiam de seis a oito horas por noite. Essas dicas da National Sleep Foundation podem ajudar a garantir que você tenha um sono de boa qualidade, mesmo se estiver entre a metade das pessoas com mais de 60 anos que sofre de insônia:

  • Deixe a sala totalmente escura e ajuste o termostato entre 60 e 67 graus.
  • Faça exercícios todos os dias. Não importa a hora do dia em que você se exercita, apenas para não atrapalhar seu descanso.
  • Stick to a regular sleep schedule, going to bed and getting up at the same time each day.
  • Shut down your electronics an hour before retiring, as the light from some devices can stimulate the brain.
  • Replace your mattress if it’s more than 10 years old.

4. But don’t always go right to sleep

A Duke University study that followed 252 people for 25 years concluded that frequent sex “was a significant predictor of longevity” for men.

Marriage is good for the heart in more ways than one.

5. Get (or stay) hitched

Marriage truly is good for your health — and your longevity. The prestigious Framingham Offspring Study found that married men had a 46 percent lower risk of death than never-married men, in part due to marriage’s well-known impact on heart health. Indeed, a 2014 study by New York University’s Langone Medical Center found that married men and women had a 5 percent lower risk of cardiovascular disease.

No, you won’t die from eating under-ripe produce, but new research shows that fully ripened fruit has more life-lengthening health benefits. For example, green bananas are low in fiber and high in astringent tannins that can cause constipation. Fully ripened pears and blackberries have more disease-fighting antioxidants. And in watermelon, a deep red color signifies more lycopene, an antioxidant that may reduce the risk of cancer and heart disease.

7. Don’t sweeten with sugar

A high-sugar diet boosts blood sugar, which in turn plays havoc with your heart by increasing levels of LDL cholesterol while lowering heart-friendly HDL cholesterol, and tripling your risk for fatal cardiovascular disease. The American Heart Association recommends that women consume no more than 6 teaspoons (25 grams) of added sugar a day, and men no more than 9 teaspoons (36 grams).

8. Consider extra vitamin D

Vitamin D, a bright byproduct of sunlight, has many health benefits, including a link to longevity. But too much vitamin D increases your risk of dying as much as too little, according to a 2015 Danish study. So you want to get the right amount. Don’t just rely on outdoor time to get extra vitamin D the rate of skin cancer rises as we age, so it’s important to limit exposure. The smart plan: Ask your doctor if you would benefit from extra D in pill form. University of Copenhagen researchers found that the ideal vitamin D level is more than 50 nanomoles per liter of blood, but less than 100 nmol/L.

If coffee’s not your thing, green tea also has proven longevity cred, likely because it contains powerful antioxidants known as catechins that may help combat diabetes and heart disease. In a large study of more than 40,000 Japanese men and women, drinking five or more cups of green tea a day was associated with a 12 percent decrease in mortality among men and a 23 percent decrease among women.

Taking a break from work and going on a vacation is crucial to your well being.

Not taking time off work might, indeed, be deadly. One study of men at high risk for coronary artery disease found that those who failed to take annual vacations were 32 percent more likely to die of a heart attack. And in the long-running Framingham Heart Study, women who vacationed just once every six years were eight times more likely to develop coronary artery disease or have a heart attack than women who vacationed twice a year.

The average American eats one serving of whole grains daily — and that may be just a single morning slice of toast. But eating three or more servings each day can cut overall death rate by about 20 percent, according to a 2016 study from Harvard University’s T.H. Escola Chan de Saúde Pública. Have some oatmeal or brown rice, or get adventurous and go for quinoa, barley, even farro.

Eating hot chili peppers may add years to your life. In a 2016 analysis of the dietary habits of more than 16,000 men and women over 23 years, those who reported eating hot peppers reduced their risk of dying by 13 percent. Not a fan of those peppers? Even a little spice can have health benefits. That’s because the body produces endorphins to reduce the heat from the capsaicin in the peppers those endorphins also reduce pain and inflammation.

You’ve been told forever to drink low-fat or skim milk, or go for fat-free yogurt. But research published in the journal Circulação in 2016 concluded that those who consumed the most dairy fat had a 50 percent lower risk of developing diabetes, a disease that can shorten your life by eight to 10 years on average.

Staying adequately hydrated — measured by urine that’s light yellow or straw colored — can also help prolong a healthy life by reducing the risk of bladder and colon cancer and keeping kidneys in tip-top shape. Bonus: It might even help you lose weight. Researchers at the University of Illinois found that those who sipped more H2O ended up eating 68 to 205 fewer calories per day.

A few cups of java a day might keep the doctor away.

15. Say yes to that extra cup

Coffee does more than help you wake up it also reduces your risk of stroke, diabetes and some cancers. And in a 2015 study published in the journal Circulação, Harvard researchers discovered that “people who drank three to five cups of coffee per day had about a 15 percent lower [risk of premature] mortality compared to people who didn’t drink coffee,” says coauthor Walter Willett, M.D. Mind you, a cup is 8 ounces, so your 16-ounce Starbucks grande is really two cups by that measure.

16. Live like the Amish

A University of Maryland study found that Amish men live longer than typical Caucasian men in the United States, and both Amish men and women have lower rates of hospitalization. What are the Amish ways? Lots of physical activity, less smoking and drinking, and a supportive social structure involving family and community.

17. End the day's eating by 9 p.m.

Not only is eating late bad for your waistline — sleeping doesn’t exactly burn lots of calories — it also increases the risk of heart disease by 55 percent for men ages 45 to 82, according to a Harvard study.

In a study of 73,000 adults, most in their mid to upper 50s, vegetarians were 12 percent less likely than carnivores to have died from any cause during the six-year study period. The 2016 study, published in JAMA Internal Medicine, found that mortality rates were lowest overall for pesco-vegetarians (those who eat fish occasionally), followed by vegans (those who eat no animal products), and lacto-ovo vegetarians (those who eat dairy and eggs).

19. Eat like the Greeks

The Mediterranean diet, with its reliance on fruits, vegetables, olive oil, fish and nuts, is one of the healthiest diets for both overall health and longevity. Harvard researchers, reporting in the BMJ in 2014, found that those who followed the diet most closely had longer telomeres, which cap the end of each strand of DNA and protect chromosomes from damage. Even those who only sporadically followed the diet reaped longevity benefits, researchers found.

Cutting your portions helps you cut calories, which aids in weight loss and more.

If you want to reach 100, put down the fork, says Dan Buettner, who studies longevity hot spots around the world, such as Okinawa, Japan. Buettner found that the oldest Okinawans stop eating when they feel 80 percent full. A National Institutes of Health-funded study similarly found that cutting back calories reduced blood pressure, cholesterol and insulin resistance.

21. Drink less (here’s a trick)

More-than-moderate alcohol consumption (generally, more than one drink a day for women or more than two a day for men) leads to a shorter life span. Here’s one way to cut your intake: Pour red wine into a white-wine glass, which is narrower. Studies by Cornell University’s Food and Brand Lab found that people poured 12 percent more into red-wine glasses. You’ll also pour less wine into your glass if it’s sitting on the table, instead of in your hand, says Brian Wansink, the lab’s director.

Money might not make you happier, but it will help you live longer. A 2016 study by Stanford researchers published in JAMA found that people whose income bracket was in the top 1 percent lived nearly 15 years longer than those in the bottom 1 percent. The disparity could be attributed to healthier behaviors in higher-income groups, including less smoking and lower obesity rates, researchers say.

23. Or move to one of these states

If you’re not wealthy, consider moving to California, New York or Vermont, where studies show that low-income people tend to live the longest. Loma Linda, Calif., has the highest longevity thanks to vegetarian Seventh-day Adventists, who live eight to 10 years longer than the rest of us. Nevada, Indiana and Oklahoma have the lowest life expectancy (less than 78 years).

24. Ponder a Ponderosa

Experiencing a sense of awe — such as when viewing the Grand Canyon or listening to Beethoven’s Ninth — may boost the body’s defense system, says research from the University of California, Berkeley. “That awe, wonder and beauty promote healthier levels of cytokines suggests that the things we do to experience these emotions — a walk in nature, losing oneself in music, beholding art — has a direct influence upon health and life expectancy,” says Dacher Keltner, a psychologist and coauthor of the study.

Owning a dog can help lower stress and boost physical activity.

25. Get a friend with four legs

A few studies on the link between pet ownership and health have found that owning a pet can reduce anxiety, lower blood pressure, even improve the odds of surviving a heart attack. Now the American Heart Association has weighed in with a report published in the journal Circulação that recommends owning a dog, in particular, for those seeking to reduce their risk of deadly heart disease. Dog owners are more likely to be physically active and are also less vulnerable to the effects of stress, the report says.

Do you wake up looking forward to something? In a 2014 study published in the Lanceta, researchers found that those with the highest sense of purpose were 30 percent less likely to die during the 8.5-year study period. In fact, doing something that matters — whether it’s helping your children or interacting in a community of like-minded folks — is correlated with seven extra years of life, according to researchers who study people in “blue zones,” areas of the world where folks live the longest.

27. Embrace your faith

Attending religious services once a week has been shown to add between four and 14 years to life expectancy, according to researchers who study blue zones. Don’t belong to a church? Ask to join a friend at her services, or just drop in at a nearby house of worship most have an open-door policy.

About 3,000 Americans die from food poisoning annually, say the Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Even seemingly healthy foods — like sprouts, cantaloupe, berries and raw tuna — can make you sick or even kill you, says the FDA. Your action plan: Keep your kitchen pristine, wash your hands and utensils before and after handling food, separate raw and cooked foods, refrigerate perishable food promptly, and cook food to a safe temperature to kill deadly bacteria.

29. Consider mountain life

People residing at higher altitudes tend to live longer, a study by the University of Colorado and the Harvard School of Global Health revealed. Of the 20 healthiest counties in America, many are in Colorado and Utah. Researchers think lower oxygen levels might cause your body to adapt in ways that strengthen your heart and circulation.

Eating a handful of nuts five times per week can lower your mortality risk from certain diseases.

In a European study of adults ages 55 to 69, those who ate 10 grams of nuts daily — 8 almonds or 6 cashews — reduced their risk of death from any health-related cause by 23 percent. As for specific ailments, consuming a handful of nuts at least five times per week lowers the mortality risk for heart disease (by 29 percent), respiratory disease (24 percent) and cancer (11 percent), according to a previous U.S. study. Sorry, peanut butter fans: Spreads didn’t show the same benefits.

31. Keep watching LOL cat videos

Laughter really is the best medicine, helping to reduce stress, boost the immune system, reduce pain and improve blood flow to the brain. In fact, laughter has the same effect on blood vessels as exercise, report researchers from the University of Maryland School of Medicine in Baltimore.

Studies show that loneliness increases the risk of early death by 45 percent. It weakens the immune system and raises blood pressure while increasing the risk for heart attacks and stroke. By contrast, people with strong ties to friends and family have as much as a 50 percent lower risk of dying, according to a study in PLOS Medicine. So visit a friend. And don’t discount your online friends. A 2016 study by researchers at the University of California, San Diego found that those who use Facebook also live longer, but only when online interactions don’t completely supplant face-to-face social interaction.

33. Watch your grandkids

While babysitting every day is stressful, regularly watching the grands can lower your risk of dying by a third, according to a 2016 study published in Evolution and Human Behavior. That adds up to an extra five years of life, researchers say. They speculate that caregiving gives grandparents a sense of purpose, and keeps them mentally and physically active.

34. Try to stay out of the hospital

A 2016 Johns Hopkins University study found that some 250,000 patients die each year in hospitals from medical mistakes, such as misdiagnoses, poor practices and conditions, and drug errors. Sometimes the best way to avoid a grave condition is not to enter the system at all.

Reading gives muscle to your memory.

Sounds like we made it up, but scientific research supports the longevity benefits of reading — newspapers and magazines will do, but books are the best. “As little as a half-hour a day of book reading had a significant survival advantage over those who did not read,” said the study’s senior author, Becca R. Levy, a professor of epidemiology at Yale.

36. Read the ‘AARP Bulletin’

Sério. This and other smart publications can keep you up to date on health info. Studies have shown that when people are empowered with information to make important medical decisions, it not only enhances their well-being but also improves a treatment’s effectiveness. So keep reading aarp.org/bulletin and aarp.org/health.

Don’t wait for annual checkups to consider your health. By then, a small problem could have morphed into a life-threatening illness. In one English study, researchers found that less than 60 percent of people who developed unusual symptoms in the previous three months had seen a doctor. Symptoms that might point to cancer include: unexplained weight loss of 10 pounds or more (this can be an indication of cancers of the esophagus, stomach or lungs) fever extreme fatigue changes in bowel or bladder habits or unusual bleeding. Other unusual symptoms that could signal disease? A patch of rough, dark skin could indicate diabetes, and a strange color on your tongue could signal serious acid-reflux issues.

38. Visit the hardware store

Among the most common causes of “unintentional deaths” are carbon monoxide, radon and lead poisoning, the CDC reports. Make sure there’s a carbon monoxide detector near every bedroom, and be sure to test and replace the batteries every two years. Was your home built before 1978, when lead paint was outlawed? One trip to the store can get you all you need to test for these toxic substances.

39. Practice home fire drills

Just 1 in 3 families have a fire-safety plan, says Robert Cole, president of Community Health Strategies, an injury-prevention education organization based in Pittsford, N.Y. “People underestimate the speed of a fire. Many waste time figuring out what to do, or trying to take belongings with them. Everyone should know what to do and how to get out safely.”

Studies show that female doctors are more effective communicators than male physicians.

40. Find a woman doctor

When Harvard researchers in 2016 analyzed Medicare records documenting more than 1.5 million hospitalizations over four years, they found that patients who received care from a female physician were more likely to survive and less likely to be readmitted to the hospital within 30 days of discharge. In fact, about 32,000 fewer people would die each year “if male physicians achieved the same outcomes as female physicians,” the researchers said. Previous studies have suggested that female doctors are more likely to follow clinical guidelines and are more effective communicators.

41. Make peace with family

While we often stress about small stuff — the guests are here, and we’re not ready! — it’s the nagging, long-running forms of stress, such as a family dispute, that put your longevity at risk. Chronic stress hastens the cellular deterioration that leads to premature aging and a vast array of serious diseases, according to long-running research from the University of California, San Francisco. This sort of cell death “turns out to be one of the strongest predictors of early diseases of aging and in many studies of early mortality,” says lead researcher Elissa Epel. The remedy: Come to peace with the people in your life. Forgive your family, forgive yourself, put the past behind you — so you can have more life in front of you.

42. Take the stairs — every day

A study by University of Geneva researchers found that taking the stairs instead of the elevators reduced the risk of dying prematurely by 15 percent. What’s more, a daily stair climb shaves six months off your “brain age,” according to researchers at Concordia University who performed MRI scans on 331 people ages 19 to 79. Gray matter shrinks naturally with age, but less so when people stay active.

One of the top risks for falls at home is throw rugs. Those slip-slidey accoutrements send 38,000 older adults to the emergency room each year, according to a 2013 study by the CDC. Banish these rugs from your home, and make sure bath mats have a nonslip bottom.

44. Beware the high-tech dash

Nearly one in five traffic accidents and more than 400,000 crash-related injuries involve a distracted driver, the U.S. Department of Transportation reports. Top distractions, according to a recent Virginia Tech Transportation Institute study, are cellphones. But a less-obvious risk is using the touch screen on your car’s dashboard.

Yes, you can go carless and survive.

In 2014, more than 5,700 older adults were killed and more than 236,000 were injured in motor vehicle crashes. Per mile traveled, fatal crashes increase noticeably starting at age 70 and are highest among drivers age 85 and older, a highway safety organization says. If you’re feeling unsafe behind the wheel, it might be time to look for alternative transportation.

What’s the best prescription for a longer life? Exercício. And doctors are literally prescribing it instead of medication. “There is no pill that comes close to what exercise can do,” says Claude Bouchard, director of the human genomics laboratory at Pennington Biomedical Research Center in Louisiana. It benefits your brain, heart, skin, mood and metabolism. Even as little as 10 minutes of brisk walking can help (that’s all it takes to burn off the calories of one chocolate chip cookie). Once you can do 10 minutes, push it to 15. Then 20. Start slow, but just start.

47. Just not in the street

Nearly 5,000 pedestrians are killed annually in the U.S., according to the latest federal figures, and nearly 20 percent of those deaths were among adults age 65 and older. If you walk for your health — and we hope you do — stay safe and consider doing so at the mall, a community health center or a park.

48. And go a little faster

The benefits of a brisk walk are real: A University of Pittsburgh study of adults 65 and older found that those whose usual walking pace exceeded one meter per second lived longer. While researchers say they can’t recommend brisk walking as a panacea for living longer, they did see increased survival in those who picked up the pace over the course of a year.

Never mind what your grade school teachers said fidgeting is good. A 2016 British study finds that sitting for seven or more hours a day increases your risk of dying by 30 percent — except among active fidgeters, who see no increased risk.

Need wheels? Go for a smart car.

50. Trade in Ol' Bessie

High-tech safety features have now become standard in new cars. The government mandates that all have airbags, antilock brakes, electronic stability control — “up there with seat belts and airbags in its life- aving benefits,” says one industry leader — and tire pressure-monitoring systems. Carmakers also offer back-up cameras, self-parking features, blind-spot and lane-departure warnings, and forward-collision warning with auto-braking.


How to Eat Healthy and Exercise

This article was co-authored by Kristi Major. Kristi Major is an ACE (American Council on Exercise) certified Personal Trainer based in the San Francisco Bay Area. Kristi has over 18 years of personal training experience and more than 90 hours of recertification study in fitness, health, nutrition, and supplementation. She is CPR and AED certified from the American Heart Association and she has a BA in Television Broadcasting.

There are 31 references cited in this article, which can be found at the bottom of the page.

wikiHow marks an article as reader-approved once it receives enough positive feedback. In this case, several readers have written to tell us that this article was helpful to them, earning it our reader-approved status.

This article has been viewed 210,704 times.

Eating healthy and exercising can seem like a pretty simple and straightforward goal however, there are many different components to a healthy diet and fitness program. For example, you'll need to think about when and where you'll be working out, what foods to eat, how much to eat, and how to prepare them. Starting with a specific goal and detailed plan can help you implement the changes you need to help you eat healthier and be more active.



Comentários:

  1. Fauran

    Então aqui está a história!

  2. Waerheall

    Na minha opinião, você está errado. Proponho discuti-lo.

  3. Sullimn

    vou dar uma olhada pra variar...

  4. Triston

    Nos vemos no site!

  5. Osckar

    Entre que vamos falar sobre esse assunto.

  6. Brasar

    Eu concordo, esse pensamento maravilhoso será útil.

  7. Alva

    Que bela frase

  8. Melrajas

    Peço desculpas, mas na minha opinião você admite o erro. Eu posso provar. Escreva-me em PM.



Escreve uma mensagem